floquinhos

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Uma constatação (2)



Oh! meu Deus, isto é minha alma:

qualquer coisa que flutua sobre este corpo efêmero e precário,

como o vento largo do oceano sobre a areia passiva e inúmera...

(Cecília Meireles)

2 comentários:

ney disse...

Dulce,
Cecília Meireles sabia mesmo dizer com poesia... (Viagem - 1982).

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.

Dulce disse...

É verdade, Ney.

Muito lindo esse poema. Obrigada.
bjs.