floquinhos

quinta-feira, 9 de abril de 2009

FAZ TANTO LUAR...


VALSA


"Fez tanto luar que eu pensei nos teus olhos antigos e nas tuas antigas palavras
O vento trouxe de longe tantos lugares em que estivemos que tornei a viver contigo
enquanto o vento passava.
Houve uma noite que cintilou sobre o teu rosto
e modelou tua voz entre as algas
Eu moro, desde então, nas pedras frias que o céu protege
Coitado de quem pôs sua esperança
nas praias fora do mundo...
- Os ares fogem, viram-se as águas,
mesmo as pedras, com o tempo, mudam."

(Cecília Meireles)

6 comentários:

Maria Emília disse...

Eu gosto muito da poesia de Cecíla Meireles e conheço-a relativamente bem. Quando a leio sinto sente tristeza:
Retrato
Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem este olhos tão vazios
nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
Em que espelho ficou perdida a minha face?

Cecília Meireles - Viagem

Um grande beijinho,
Maria Emilia

Dulce disse...

Maria Emilia,

Esses versos são muito lindos e confesso que me tocam fundo...
Obrigada!

Beijos

KrystalDiVerso disse...

Desejo-lhe a alegria da ressurreição comemorada no seio de toda a família e quantos Ama!

Feliz Páscoa


"Brevemente, depois da Páscoa, comentarei sobre seu blog que parece ser muito interessante e agradável".

Dulce disse...

Kristal

Obrigada! Desejo-lhe uma feliz Páscoa, também, junto aos seus.

Obrigada por chegar a este cantinho e volte sempre. Será bem vinda.

Ana Martins disse...

Querida amiga Dulce,
Cecilia Meireles uma poetisa de talento que gosto muito de ler!

Seu gosto pela poesia é fantástico.

Beijinhos,
Ana Martins

Dulce disse...

Ana, obrigada.
Também gosto muito dela.

Beijinhos