floquinhos

domingo, 14 de junho de 2009

Uma fria madrugada para sonhar...


Escrever durante a madrugada é um hábito que muitas pessoas gostam de cultivar. Talvez porque esse seja o momento exato em que os sentidos ficam mais aguçados, e a sensibilidade aflora com mais intensidade... Quando há solidão, esta é aguda, quando há alegria ela é doce, quando bate saudade ela chega a ser sufocante e quando a desesperança aparece é terrivelmente envolvente...

É também o momento em que as ausências são mais doídas e os sonhos são tresloucados. É quando a alma se abre para longas conversas, as lágrimas são puras e podem rolar mais livremente pela face...
É madrugada, faz frio, um frio que parece atravessar a noite e se instalar na alma, tornando o momento propício não só ao ato de escrever, mas ao recolhimento, as conversas consigo mesmo, ao sonho...
O calorzinho gostoso que vem da lareira, o chá quentinho na xícara e o coração cheinho de saudades... Mas hoje não vou escrever. Vou me sentar aqui, neste sofá e deixar minha alma livre para sonhar...

Dulce Costa
Na doce e fria madrugada do dia 14 de junho do ano de dois mil e nove,

10 comentários:

Isa disse...

Dulce,minha querida,como vc escreve bem! Gosto sempre de a ler.
Fiquei a saber por si que aí está frio.Há já 2 dias que ñ tenho mensagem dos meus queridos. Penso q.
regressam a 18. Mas estou muito contente por eles.
O dia cá ñ está bom e,por isso,
vou sentar-me,consigo no sofá,aproveitar o calor da lareira e
conversar.Estou já chegando...
Beijo.
isa.

Fernanda Ferreira disse...

Amiga Dulce,

que lindo e simultâneamente que triste...

Acontece assim com todos nós,não é mesmo???
Beijinho carinhoso da amiga,

Dulce disse...

Isa, bom dia

Obrigada, minha amiga.
Venha sim, sente-se aqui comigo, tomaremos um chá e falaremos das coisas da vida...

Disse-me que seus amores estavam em Porto Alegre, e lá faz sim bastante frio, mas a cidade é bonita e acolhedora e o povo amigo. Seus queridos, com toda certeza, estarão desfrutando dessa tipica hospitalidade gaúcha.

beijos

Dulce disse...

Ná,

Na verdade, há sempre uma pontinha de tristeza nas madrugadas, uma certa nostalgia... talvez por isso gostemos tanto de a usar para escrever, pois qualquer escrito é sempre mais belo quando vem carregado de sentimentos nostálgicos.
Vinícius de Moraes, em uma des suas letras (linda, aliás), diz: "assim como o poeta só é grande se sofrer / assim como viver sem ter amor, não é viver..." Pois acho que cada madrugada só será inspiradora se for nostálgica.

beijinhos

Agulheta disse...

Dulce! Minha querida,é na madrugada que muita coisa vem ao sabor da hora,emoções e as saudades,tanbém gosto muito da madrugada para o fazer,escrever,libertos os pensamentos.
Beijinho sê feliz.

Dulce disse...

Obrigada, Lisa

Vivamos pois esses momentos que cada um de nós sente melhor nas doces madrugadas.
beijinho

Pitanga Doce disse...

Dulce mais uma vez me repito: como não te conheci a mais tempo? Temos histórias tão parecidas (nas devidas proporções) de saudades, de hábitos, de sonhos que ficaram guardados.

A madrugada é o melhor momento para se escrever. Tenho caderninhos espalhados por toda a casa e onde vier a inspiração, durante a noite, deixo as letras escorrerem. Aqui não tenho lareira mas já escrevi tantas e tantas vezes com os pés apoiados na grade de proteção da que tenho muito longe daqui.

beijos em domingo frio mas com a familia por perto.

Dulce disse...

Pois é, Pitanga

A madrugada e eu somos cúmplices, companheiras... Comvivemos amigavelmente e nela escondo meus sonhos, meus segredos, minhas mágoas.
Bom saber que outras pessoas também se aliam à madrugada para abrir a alma, os sentimentos.

Beijos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Mas já escreveu... e como sempre, muito bem!

Dulce disse...

Ah, Carlos, obrigada...

e vindo de você, eu fico toda prosa... rs... obrigada!