floquinhos

sábado, 11 de julho de 2009

Os voos d'alma...


Ah, que esta alma anda inquieta, desassossegada, perdida no mundo dos sonhos, sonhando com o impossível... Por isso trago-a presa, contida, vigiada para que não escape e não se perca em longos vôos através de ares e mares, cruzando hemisférios, sobrevoando lugares onde talvez nem fosse bem vinda.
Mesmo com tanta vigilância, algumas vezes ela me tem escapado para visitas secretas e quando lhe pergunto porque insiste em sonhos perdidos, muito docemente ela afirma que gosta de rever antigos amores, precisa matar saudades... Conta-me que chega de mansinho, espia pela janela entreaberta e, através da vidraça, deita um olhar terno sobre ele, atira-lhe um beijo, só isso. Outras vezes, mais atrevida, se encontra a janela aberta, esgueira-se por entre as cortinas e, pé ante pé vai até a beira da cama onde fica a olha-lo, envolta em ternura. Se o sono está inquieto, canta-lhe docemente uma canção de ninar, correndo-lhe os dedos por entre os cabelos, até que se acalme. Beija-lhe então a fronte e, tão silenciosamente quanto entrou, deixa o quarto e volta para seu refúgio, dentro de mim, trazendo-me a sensação de um sonho lindo, de um momento não vivido mas sempre esperado...
Hoje não pude conte-la. Desde a tarde esta assim, inquieta. Fugiu-me. Recostada em minha cama, aguardo seu regresso. A noite está fria, e no silêncio da madrugada que se inicia, ouço finalmente seus passos leves como os de um anjo e sua doce voz que ainda cantarola trechos de uma canção de ninar... Abro-lhe meu coração e ela se aconchega triste ainda, mas serena, e começa a me contar sobre a cor do lençol que o envolvia, do edredom que o agasalhava, qual o livro que estava em sua cabeceira, e eu vou entrando no sonho dela, vou me aquietando até mergulhar num sono profundo do qual despertarei serena ao amanhecer.
Assim nos entendemos, assim nos completamos, minh'alma inquieta e eu, sonhadora incorrigível...

Dulce Costa
No início da madrugada do dia onze de julho do ano de dois mil e nove.

8 comentários:

Isa disse...

Bom Dia,querida Dulce!
Que belíssimo texto! Li 2 vezes porque adorei.
Hoje vou fugir deste estado um tanto estranho. Ñ me apetece sair,
nada.
Às vezes sinto isso...mas dp. vai passando.
Bom, Fim de Semana,querida Amiga.
Beijo.
isa.

Dulce disse...

Bom dia Isa

Obrigada, minha amiga.

Esse seu estado de alma acontece-me as vezes também. Entendo bem o que diz. O que poderia dizer? Para sair, ir ver a vida correndo la fora, ir caminhar num parque, ir a um cinema, ir as compras e comprar um lindo presente para si??? Mas se de tudo isso minha amiga já sabe!...
Então apenas a abraço e peço-lhe que abra seu coração e deixe brilhar o sol que guarda dentro de si... E talvez, que escreva, escreva sobre o que lhe vai na alma, ponha tudo para fora, sem freios e até apague tudo depois, mas escreva, exorcize sua alma pois depois, livre do peso que a oprime, ela mais leve. sorrirá para o mundo e lhe mostrará o caminho... Comigo costuma funcionar.
beijos e bom final de semana

heli disse...

Dulce.
Também li e reli seu texto.
As vezes a nossa alma quer ter vida própria(rs).
Hoje a minha alma está inquieta...
Pois e, amiga.Esse seu maravilhoso texto me fez refletir nas minhas madrugadas insones, onde a minha alma também viaja para lugares distantes e depois volta com um belo sorriso!
bjs

Dulce disse...

Heli,

E que bem que nos faz esse sorriso que ela nos traz depois de tanta inquietação...
Sabe, Heli, apesar de tudo, das inquitudes e do desassossego que por vezes minha alma me impõe, acho que não gostaria que fosse de outra forma. Amo-a exatamente assim como é, cobrindo-me de sonhos e de doces ilusões que me ajudam a cumprir meus caminhoa...

beijo e boa tarde para você,

elvira carvalho disse...

Uma prosa que é poesia pura. Lindo.
Um abraço

Dulce disse...

Elvira

Muito obrigada.
Abraço para você também.

Pitanga Doce disse...

Dulce, hoje vim com calma porque este teu texto (poema) assim o exige. Vim te dizer que a minha alma já tem mais horas de voo do que um piloto de linha comercial, minha amiga. Mas isso foi num tempo em que o sonho se confundia com a realidade e ao acordar o sonho continuava. Eu e ela éramos mais leves do que uma pluma. O tempo era outro, o lugar era outro, eu era outra.
Hoje estamos presas ao chão e a vontade de voar...fica só na vontade.

boa tarde Dulce
Pensei que já estivesses a caminho e ficar com a filha.

Dulce disse...

Pitanga, minha amiga

Tenho muito, mas muito mais estrada percorrida do que você, comecei bem antes meu caminhar. E nesse caminhar tive sonhos lindos destruidos, ilusões infindas perdidas, lágrimas e risos se alternando, cicatrizes profundas ficaram la no fundo de mim, mas ainda acho que o sonho é um direito inalienavel de minha alma, direito adquirido através da vida.
Meu corpo marcado pelo tempo, envelhecido, fica aqui, pezinho no chão, mas a alma vai liberta por ares e mares em busca de seus sonhos e ao voltar traz um alento e uma paz imensa para meu coração...
Liberte sua alma, minha amiga, solte-lhe as asas, deixei-a voar, atravessar continentes e mares, e verá que ao voltar, feliz, ela iluminará seus caminhos...
Precisamos do sonho para suportar a dor, o tédio, a mesmice de alguns momentos de nosso caminhar.

Beijos e, por favor, não desista nunca de seus sonhos.

Dulce