floquinhos

domingo, 29 de março de 2009

UM PENSAMENTO (4)

(minhas violetinhas estão lindas...)

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

"Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir. Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso. E com confiança no que diz."

10 comentários:

Osvaldo disse...

Oi, Dulce;

Acabei de deixar a mensagem no post anterior e subi para ler este e confirmar que o "nosso" Drummond de Andrade, grande escritor, jornalista, político e professor foi das pessoas maravilhosas que conheci.

bjs
Osvaldo

Dulce disse...

Osvaldo
Concordo com você quando diz que Drummond foi pessoa maravilhosa e imagino que conhece-lo deve ter sido um raro privilégio...
bjs.

ney disse...

Disse bem o Drummond, como sempre... gosto também do que diz o Artur da Távola... http://www.songsandpoems.com/mensagens/amizade/9issodeamizade.htm
ney//

Dulce disse...

Ney,
vou ler o texto do Artur da Távola e depois comento com você.

ney disse...

Disse o Vinícius:
"Mesmo que as pessoas mudem e suas vidas se reorganizem, os amigos devem ser amigos para sempre, mesmo que não tenham nada em comum, somente compartilhar as mesmas recordações". Vinícius de Moraes.//////

O do Artur da Távola é um texto maior, não sei se vai dar aqui:
Ah, esse fenômeno instigante, o das amizades que se mantêm independentes da convivência.
Será amizade? Será saudade comum dos anos vividos em amizade? Será saudade dos anos felizes ou uma afinidade que se espraia no tempo? Não sei responder. Sei que com algumas pessoas (poucas), há uma insistência teimosa em desejar ver, trocar idéias e experiências, creio, pela certeza da reciprocidade e do "ser aceito".
Sim, talvez seja a certeza de ser aceito, uma das maiores necessidades humanas neste mundo de incompreensões. Talvez seja a necessidade da existência de certeza prévia de acolhimento ao que somos, como somos e ao que pensamos, o fermento da amizade.
O mistério da amizade talvez resida no alívio que traz a existência de alguém que nos acolha. Digo acolha e, não, recolha - aí já seria dependência de um lado e paternalismo do outro.
Acolher significa receber de bom grado, previamente, sem julgamentos ou resistências. É molesto o fato de que os seres humanos vivam a julgar e que suas opiniões prévias interponham barreiras na comunicação, dificultando-a.
O mistério da afinidade consiste na inexistência das resistências ao outro, mesmo quando haja discordância. Isso não deriva apenas de afeto. Quantas vezes há afeto entre as pessoas sem, porém, a aceitação natural, espontânea e prévia?
Verifique nas amizades tidas e vividas ao logo da vida, o que delas restou. Haverá muita vivência, boa e má. Raramente, porém, restará a amizade...
Com os anos, vão se tornando escassas as amizades que atravessaram o terreno íntimo que lhes é próprio sem arranhões e sem mágoas, restando, como fruto, após ingentes experiências humanas e existenciais, apenas (e já é tanto...) a amizade.
Amizade é o que resta da amizade. Se o que resta de uma amizade é amizade, então amizade é. Da verdadeira!
"Isso de amizade..."
(Artur da Távola)

Dulce disse...

Obrigada pelo texto, Ney. É ótimo.
E vinícius sempre definia as coisas do alto de sua sensibilidade...

Ana Martins disse...

Querida amiga Dulce,

muito verdadeiro e forte este pensamento, parabéns!!!

As suas violetas estão realmente lindas, beijinhos.

Dulce disse...

Ana,
muito obrigada.
beijinhos

Lourdes disse...

Esta é uma óptima definição de "amigo".
Ah, é verdade que suas violetas estão lindas. Já eu não tenho tanta sorte com estas florinhas de que gosto tanto.
Beijinhos

Dulce disse...

Lourdes,
Sem dúvida. Porque é na sinceridade e na verdade que respousa a verdadeira amizade.
Ah, mas também tenho dificuldades com minhas violetinhas, então aproveito o momento em que elas ficam bonitas para fotografar.
Beijos