floquinhos

quarta-feira, 7 de abril de 2010

A poesia de Thiago de Mello


Desdenho do privilégio

Assistente de mim, de quando e como
o ser me transparece no que faço,
no que profiro ou sinto, não me agrado
do meu jeito infeliz de amar. Me escondo
a cara, mais de mim do que dos olhos
queridos, alguns deles me adivinham.
A verdade se embaça em meu espelho,
quando as nódoas me quero ver. Desdenho
do privilégio de me ser tão próximo,
tão íntimo das minhas espessuras
e não poder sequer saber quem sou.
Nem porque instalado estou num mundo
de cuja origem, nem a religião
com seus dogmas de pedra, nem a mágica
deslumbrante da física celeste
- não me convencem. Só me vale a vida.

(Thiago de Mello)

12 comentários:

Bernardo disse...

Cara Dulce

Thiago é daqueles poetas que simplesmente deixam correr o pensamento na busca do "quem sou", pois "me escondo de mim" simplesmente.
Um abraço
Bernardo

Manuela Freitas disse...

Olá Dulce,
Thiago de Mello, é meu conhecido, principalmente pelos «Estatus do Homem» e outros poemas, mas não conhecia este, que é muito interessante.
Eu subscrevo o questionamento, que também anda comigo muitas vezes.
Beijinhos,
Manú

Adolfo Payés disse...

Es un poema muy hermoso.. Un gusto volver a leerte..



Un abrazo
Saludos fraternos..

Osvaldo disse...

A magia de Thiago de Mello em fazer poesia é que escreve como se estivesse conversando consigo mesmo.
É daqueles poetas a quem a poesia escorrega pelos dedos e se espalha no papel imaculado com a mesma suavidade das folhas de outono quando caem das árvores.

Belo poema.

bjs, Dulce

Osvaldo

orvalho do ceu disse...

Olá, gosto muito de ler Thiago de Mello e sua originalidade.
Creio que é a mística oriental que o circunda...
Bela postagem!
Bjs

Dulce disse...

Bernardo

Thiago de Mello é um poeta que me encanta. Está, junto com o seu querido Quintana, na galeria dos Poetas de Meu Coração.
Obrigada, beijos e um bom dia

Dulce disse...

Manuela Freitas

Esses questionamentos rondam tantas almas...
Ao exteriorizar-los, Thiago de Mello nós desafia ainda mais a entende-los.
Beijos, obrigada e bom dia para você.

Dulce disse...

Adolfo Payés

Obrigada.
Um prazer ter você aqui neste cantinho, viu?
Tenha um ótimo dia.
Beijos

Dulce disse...

Osvaldo
Meu inspiradíssimo amigo, seu comentário soa como poesia...
Também tenho essa impressão, muitas vezes. A poesia de Thiago parece mesmo ser um diálogo que ele mantém com sua própria alma.
Obrigada, Osvaldo, beijinhos e um bom dia.

Dulce disse...

Orvalho do Céu

Thiago vive impregnado da "luz da floresta" que o circunda e. creio, ilumina também a sua alma.

Beijos, obrigada e tenha um lindo dia.

Maria Teresa disse...

Dulce:
O poeta traz à tona o questionamento de todos nós, mesmo que às vezes façamos de conta de que isso não é conosco. Poema cheio de riqueza.
Beijos

Dulce disse...

Maria Teresa

É verdade! Para não nos sentirmos incomodados, preferimos, às vezes, evitar esses questionamentos. E, no entanto, encará-los nos enriqueceria...
Beijos e lindo dia para você.