floquinhos

terça-feira, 27 de abril de 2010

Morre o teu sonho?...


Enquanto morrem as rosas

Morre a tarde. Erra no ar a divina fragrância.
Fora, a mortiça luz dos crepúsculos arde.
Nas árvores, no oceano e no azul da distância
Morre a tarde...

Morrem as rosas. Minhas pálpebras se molham
No pranto das desesperanças dolorosas.
Sobre a mesa, pétala a pétala, se esfolham,
Morrem as rosas...

Morre o teu sonho?... Neste instante o pensamento
Acabrunha o meu ser como um pesar medonho.
Ah, por que temo assim? Dize: neste momento
Morre o teu sonho?...

(Manuel Bandeira)

20 comentários:

Lídia Borges disse...

Manuel Bandeira...

Triste este poema, mas tão doce que dá vontade de acarinhar.

Um beijo

Dulce disse...

Lidia Borges

Há, quase sempre, uma tristeza emaranhada nos versos de Bandeira, e creio que seja esse seu encanto. Sempre há ternura, doçura, nessa tristeza...
Beijos

Vitor Chuva disse...

Olá Dulce!
Amor e flores sempre andaram de mãos dadas, em especial as rosas.
O poema inspira tristeza ... tal como o morrer duma flor.

Beijinhos;boa semana!
Vitor

Dulce disse...

Vitor Chuva

As flores estão sempre ligadas aos sentimentos, sejam eles de amor, de dor, de alegria, de amizade, as flores sempre se fazem presentes em cada momento.
Obrigada, beijos e boa semana para você também.

LOURO disse...

Olá Dulce!
Lindo poema do Manuel Bandeira...
Um pouco triste,mas com beleza,
Como as rosas!!!
Beijinhos de carinho e amizade,
Lourenço

Dulce disse...

Louro

É verdade, Lourenço, que há uma certa tristeza nas rosas, um olor a saudades...
Beijinhos e muito obrigada pela presença.
Tenha um bom dia

Pitanga Doce disse...

O sonho não pode morrer ou iríamos viver de que? Mas há momentos em que ficam enevoados e o que era translúcido se apaga. É como um arco-íris que vem tão forte e depois tem suas cores esmaecidas até não serem vistas. Mas voltarão outro dia e serão vibrantes outra vez.
Há que se perdoar. Afinal, são sonhos.

Ai Dulce desculpa se me estendi. Estou escrevendo tanto que já tomo conta de espaços alheios. Será sintomático?

beijos em céu azul mas com nuvens suspeitas.

Dulce disse...

Pitanga Doce

Não há porque pedir perdão, Mila. Adorei seu comentário, viu? E concordo plenamente com ele.
beijos em céu idem, idem...

BEL disse...

Olá Dulce
Este poema é tão indicado para mim neste momento
beijos
bel

Dulce disse...

Bel

Deixo-lhe o meu abraço, Bel
Fique bem

Agulheta disse...

Querida Dulce! Adorei o poema de Manuel Bandeira,não conhecia o quento é bonito este,a poesia que é feita com cheiro de rosas melhor,obrigada pela partilha.
Beijinho doce
Lisa

Dulce disse...

Agulheta

As flores, quase sempre, levam à poesia, ou, pelo menos, a um pensamento mais poético.
Sou eu quem agradece, Lisa.
Beijos e boa tarde para você

Mari Amorim disse...

Dulce amada,
Vim agradecer tua visita,adorei td por aqui,voltarei,e tb espero vc para um novo café
Boas energias
Mari

Dulce disse...

Mari Amorim

Obrigada. Um prazer te-la por aqui.
Agradeço e aceito o convite.
Um abraço

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Se deixarmos morrer o sonho, deixamos morrer um pouco de nós.

Dulce disse...

Carlos

Não consigo imaginar uma vida sem sonhos...
Uma boa noite para você

Pitanga Doce disse...

Dulce tudo bem? Ontem a noite não consegui postar. O editor de texto não permitia. Estás com problemas? É que gosto de vir aqui de manhã e já te encontrar "novinha". hehehe

E Elvis canta! E o Rio está fusco! Ah esse Outono vai dar um trabalho!

Bom dia minha amiga de Sampa.

Dulce disse...

Pitanga Doce

Não minha amiga, problema nenhum. É que hoje meus netos vêm direto da escola para cá, pois a mãe viaja a trabalho e eles ficam comigo. Só os meninos. A Bia, 18 anos, universitária, etc e tal, tem o dia ocupado (Ela cursa fotografia no Senac, pela manhã e faz letras na USP à noite) não teria como cuidar dos irmãos; e avó é (também) para essas coisas... rs...
Aí, junta que minha fiel escudeira não pôde vir hoje, e... lá vou eu para a cozinha... rs Por isso o Prosa ficou assim quietinho. Mas está tudo bem, viu? Sem problemas nem de postagem.
O dia esta fusco por aqui também, e nem o Elvis ajuda...

Bom dia, minha linda amiga do Rio...

Pitanga Doce disse...

Avó é pra isso tudo e mais. Voltei a dar aulas à Julinha, o que significa que voltarei ao oitavo andar em frente à cobertura e ao porto com os barcos. Eu mereço!

PS: Tens netos das mais variadas idades. Quando se juntam deve ser um alarido sem tamanho. Eh passarinhada! hehehe
Haja avó!

Dulce disse...

Pitanga Doce

Pois, amiga!... mas o que me deixa meio triste é que não consigo reuní-los a todos. Os três daqui de Sampa passam final de semana sim, final de semana não, aqui em casa; vêm estar com o pai. Idades? 18, 14 e 12, O de Campinas (18 anos) vejo menos. E os gringuinhos (10 e 8 anos) vejo-os uma vez por ano, mas fico por lá, com eles, 3 meses de cada vez... Vou para lá em julho. Sou, como pode ver, uma avó babada e dividida... rs.

Então volta a conviver com a "cobertura"? Mas deve ser lindo, e o enfoque agora deve ser outro, não?
Beijos