floquinhos

sábado, 3 de abril de 2010

Mario Quintana e sua Canção do Amor Imprevisto


CANÇÃO DO AMOR IMPREVISTO

Eu sou um homem fechado.
O mundo me tornou egoísta e mau.
E a minha poesia é um vício triste,
Desesperado e solitário
Que eu faço tudo por abafar.

Mas tu apareceste com a tua boca fresca de madrugada,
Com o teu passo leve,
Com esses teus cabelos...

E o homem taciturno ficou imóvel, sem compreender
nada, numa alegria atônita...

A súbita, a dolorosa alegria de um espantalho inútil
Aonde viessem pousar os passarinhos.

(Mario Quintana)


2 comentários:

Isa disse...

Estou em falta consigo!
Minha Amiga tão querida,tive o meu filho,nora e netos aí no Rio.
Ela foi em trabalho de Fac.
Eu fico muito tristinha quando estão longe.
Ai...coração de Mãe!
Beijo
isa.

Dulce disse...

Isa

Absolutamente, minha amiga, de modo algum. Não há falta alguma...
E essa sensação, essa de se estar tristinha quando filhos e netos estão longe, eu a conheço bem, pois tenho dois dos meus filhos longe e quando vou para estar com um, fico longe dos outros dois e assim vai sendo... Mas abro meu coração porque o que quero mesmo é que eles esteja felizes. E penso que minha amiga é bem assim como eu... Mas tem razão, viu? Coração de mãe é assim mesmo... rs...
E logo seus amores vão estar por ai de volta.
Beijinhos.