floquinhos

terça-feira, 6 de abril de 2010

O dia chuvoso pede Florbela...


Desejos vãos

Eu qu'ria ser o Mar d'altivo porte
Que ri e canta a vastidão imensa!
Eu qu'ria ser a pedra que não pensa,
A Pedra do caminho, rude e forte.

Eu qu'ria ser o Sol, a luz intensa,
O bem do que é humilde e não tem sorte!
Eu qu'ria ser a árvore tosca e densa
Que ri do mundo vão e até da morte!

Mas o mar também chora de tristeza...
As Árvores também, como quem reza,
Abrem aos Céus, os braços, como um crente!

E o Sol altivo e forte, ao fim dum dia,
Tem lágrimas de sangue na agonia!
E as Pedras... essas... pisa-as toda a gente!...

(Florbela Espanca)

14 comentários:

Vivian disse...

...nesta terça chuvosa
encontrar Florbela, sempre
é muito bom...

bj, querida!

Dulce disse...

Vivian, boa tarde

Que tempinho mais enfarruscado, não? Só mesmo um bom livro, um lindo poema, uma música doce e uma xícara de chá... rs...
Beijos

FOTOS-SUSY disse...

OLA DULCE, BELISSIMO POEMA...LINDA ESCOLHA...AQUI ONDE VIVO ESTA UM DIA LINDO CHEIO DE SOL...QUE TENHA UMA EXCELENTE SEMANA AMIGA!!!
BEIJOS CARINHOSOS,


SUSY

Pitanga Doce disse...

Meu Deus do ceú o que é isso? A cidade tá submergindo! Tem quase vinte e quatro horas de chuva e vento sem descanso! Nem tv a cabo tenho! O que salva é a internet.

A noticia já atravessou o Atlântico. Tenho recebido vários mails. Os nossos amigos de além mar se preocupam com a gente, Dulce!

Obrigada por teres ido lá em casa. Os aniversariantes adoraram o post como deves imaginar.

AFRICA EM POESIA disse...

A Amizade é assim...

Amizade verdadeira



Letras escolhidas
Dentro do alfabeto
E com letras escolhidas
a Amizade aparece...

É um sonho ter um amigo
É uma paixão saber que tem amigo
É loucura saber que é amigo
E com sonho, paixão e loucura, sou mesmo feliz...

E amizade quer muito sacrifício
Por vezes fechar os olhos para não ver...
Temos que calar para não ferir...
Temos que afagar, quando acontece bater...

Mas a amizade vai nascendo
E vamos deixar que se enraíze
Para que dentro do nosso peito
Haja mesmo lugar para mais um Amigo...



Lili Laranjo

Ana Martins disse...

Boa noite Dulce,
penso que acertou em cheio ao escolher este soneto de Florbela Espanca para uma tarde chovosa.

Apesar deste soneto expressar uma uma estranha impotência, é de uma beleza inigualavel.

Beijinhos,
Ana Martins

Dulce disse...

Susy

Ah, que delicia, minha amiga, vocês vivem ai a primavera, linda, florida. E na Califórnia (não é onde vive?) o clima é bem mais ameno, não é?
Beijinhos e uma boa noite para você.

Dulce disse...

Pitanga
Imagino bem o desespero dessa pobre gente, minha amiga... Passamos por situação bem semelhante entre o final do ano e Janeiro, triste demais... Espero que essa chuva passe para que a população já tão sofrida possa respirar um pouco mais aliviada... Que horror, Mila...

Ah... é uma delícia ver essa troca de idéias cruzando os mares... rs... E como hoje foi dia de festa por ai, o clima estava "encantado"... rs...
Só mais uma coisinha, amiga: Você está um arraso naquela foto, viu?

Beijos, Mila

Dulce disse...

Africa em Poesia

Lindo, Lili!... Porque amigos verdadeiros são verdadeiros presentes da vida, são dádivas de Deus.

Beijos e uma boa noite para você

Dulce disse...

Ana Martins

Pois é amiga... dificil não acertar em se tratando de Florbela... Ela sempre emociona com sua sensibilidade, sua capacidade imensa de amar, sua dor oculta entre os versos...

Beijinhos e uma ótima noite para você

Adolfo Payés disse...

Siempre que paso por tu espacio me sorprenden tus poemas..


Leerte siempre es maravilloso






Un abrazo
Saludos fraternos..

Dulce disse...

Adolfo Payés

Gracias, amigo...
Recebe-lo neste cantinho é sempre um prazer.
Obrigada.
Beijos e boa noite.

Isa disse...

Bom dia minha querida Amiga.
Como estão as cheias por aí?
Li nos jornais e fiquei muito preocupada!
Beijo.
isa.

Dulce disse...

Isa, bom dia

Obrigada por sua preocupação, minha amiga.
Pois é, está terrível, mesmo. Tudo o que vivenciamos entre o final do ano passado e começo deste, aqui em São Paulo, está se repetindo agora no Rio. Uma tristeza só, Isa. Nenhuma cidade, por mais modernizada que seja, está preparada para enfrentar a fúria da natureza, seja da forma que for. E essas chuvas que seriam de verão, castigam fortemente o Rio neste começo de outono...
Beijos e, mais uma vez, obrigada.