floquinhos

quinta-feira, 11 de março de 2010

Ao cair de uma folha...


Melancolia

Um galho,
um nevoeiro grisalho,
uma folha amarela:
nada mais na moldura da janela.
Último ramo, última névoa, última folha,
último sonho vão:
última bolha
de sabão...

E acontece
que as sombras descem das cortinas
lentamente... E anoitece.
E há sempre, sempre duas mãos divinas
que se desfolham como lírios no teclado;
e o silêncio que fecha as asas de veludo,
as asas quietas sobre o sossego de tudo...
E a saudade, a grande alma triste do passado,
que abre os braços na luz
e parece uma cruz...

Depois... depois, aquele mesmo galho
no nevoeiro grisalho,
gesticulando o adeus de uma sombra amarela...
E alguém que chora na moldura da janela...

(Guilherme de Almeida)

6 comentários:

Pitanga Doce disse...

Hoje não digo nada mas ouço aqui Gal cantando "Quando olhaste bem nos olhos meus e o teu olhar era de adeus"!

Dulce disse...

Pitanga

Ah, minha amiga, mas você sabe que esse "olhar de adeus" não era adeus... Era apenas um doce e sofrido até breve... até sempre...
Beijos Mila...

Agulheta disse...

Querida Dulce.Numa leveza de palavras que leio e acalenta meu ser,ao som da belissima voz de Gal Costa...adorei.
Beijinho Lisa

Dulce disse...

Lisa,

Boa tarde, minha amiga. Bom que gostou,fico feliz.
Beijos e fique bem.

Sonhadora disse...

Dulce
Que belo poema...adorei.

beijinhos
Sonhadora

Dulce disse...

Bom dia, Sonhadora

Beijos e muito obrigada.