floquinhos

segunda-feira, 8 de março de 2010

Na noite... a poesia de Cecilia Meireles...


Tumulto

Tempestade... O desgrenhamento
das ramagens... O choro vão
da água triste, do longo vento,
vem morrer-me no coração.

A água triste cai como um sonho,
sonho velho que se esqueceu...
( Quando virás, ó meu tristonho
Poeta, ó doce troveiro meu!...)

E minha alma, sem luz nem tenda,
passa errante, na noite má,`
à procura de quem me entenda
e de quem me consolará...

2 comentários:

Daniel Costa disse...

Dulce

Vou conhecendo melhor Cecília Meireles, que é de facto uma grande poetisa, como demonstras com o poema postado. Aproveito para dizer: abri um novo blog especíco, no mesmo painel, A SEDUÇÃO DOS DIAMENTES.
Beijos
Daniel

Dulce disse...

Daniel, bom dia

Ir conhecendo Cecilia é ir gostando a cada vez mais, não é?
Obrigada pelo aviso, Daniel, tenho certeza que é um espaço da melhor qualidade e já vou visita-lo.
Beijos