floquinhos

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Histórias de uma avó... Meu pequeno Alexander


As crianças, as vezes, são surpreendentes e muito engraçadas.

Há uns quatro anos, estava em casa de minha filha, em Winchester, MA, e o marido dela havia chamado um técnico da companhia de gás para fazer um orçamento e estudar a possibilidade da troca do equipamento de aquecimento, que era a óleo, por outro mais moderno, a gás. Ela e o marido conversavam com o técnico, um homenzarrão, muito alto e forte, mas que ostentava uma respeitável barriguinha e que tinha cabelos louros e longos, presos na nuca, num rabo de cavalo. Em sua camioneta, os dizeres “Halley Davidson é um estilo da vida”, definiam o estilo do próprio homem. Pelo menos o que tenho visto por la, rodando pelas estradas americanas, bate perfeitamente com o que estava ali na minha frente.
Num dado momento, o Alexander, meu netinho de quatro anos, puxou a mão de minha filha, fazendo-a abaixar-se, e perguntou:
- Mamãe, ele é menino ou menina?
Minha filha então respondeu-lhe, em português, pedindo-lhe que falasse em português também, com receio de constranger o homem que, envolvido na conversa, felizmente, não percebera a dúvida do pequeno Alexander. Disse-lhe que era um “menino”, ao que meu neto retrucou:
- Mas ele tem cabelos tão compridos!
Saindo de perto da mãe, deu mais uma ou duas voltas em torno do homenzarrão,, voltou e perguntou, desta vez em português, para alívio de minha filha:
- Mamãe, porque ele tem uma barriga tão grande?
- Eu não sei! Talvez ele goste de uma cervejinha - respondeu minha filha, deixando meu neto com um jeitinho de quem não tinha entendido nada e, saindo para ir novamente olhar de perto aquela portentosa figura e voltar novamente para a mãe e perguntar:
- A mãe dele não ensinou que não se deve desenhar nos braços?
- Aquilo sãos tatuagens, meu filho, respondeu minha filha, já se esforçando para conter o riso.
- Mas a mãe dele devia ter ensinado pra ele que não se deve desenhar tatuagens no braço!
A essa altura da “conversa”, minha filha achou melhor mandar o pequeno curioso brincar do lado de fora da casa, antes que, como acontece sempre, e sem se dar por isso, ele voltasse a falar em inglês e fizesse alguma outra pergunta embaraçosa, e eu fiquei aqui pensando se, quando ele chegar a adolescência, vai se preocupar tanto com os ensinamentos sobre escrever ou não nos braços... Espero que sim!

Dulce Costa

12 comentários:

Isa disse...

Deliciosa a "estória" do seu Alexander!Nessa idade ouvimos maravilhas de observação.
Um miminho para ele.
Beijo.
isa.

Dulce disse...

Obrigada, Isa...

As avós tem sempre tantas histórias para contar... e derretem-se todas... rs...

bjs.

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA DULCE... ADOREI A ESTÓRIA DO NETINHO... ABRAÇOS DE AMIZADE,
FERNANDINHA

Mariz disse...

Dulce
Venho agradecer embora tardiamente o comentário simpático que me deixou, não tive computador há quase 1 mês.
AChei esta história ma delicia...as crianças são uns autênticos deuses de graça.

Deixo um abraço
MAriz

Dulce disse...

Fernandinha,

Obrigada, amiga.
Esses netos, realmente, aquecem a alma das vovós... rs...

Beijos

Dulce disse...

Mariz,

Obrigada pela visita e pelo comentário. Crianças sempre nos surpreendem...

bjs

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Quando ele for adolescente, talvez as tatuagens e os piercings tenham passado de moda...

Dulce disse...

Carlos,

Será?... Tomara, meu amigo...

Ana Martins disse...

Querida amiga,
as crianças são observadoras e perspicazes, e às vezes conseguem mesmo deixar-nos embaraçadas!

Lembro-me que quando o meu filho mais velho tinha 3 anos, (hoje tem 19) levei-o comigo ao talho, quando estava a ser atendida, ele em voz alta e apontando para o senhor que me estava a servir, disse: - Mamã olha que homem tão feio!

E eu totalmente embaraçada, só lhe consegui dizer baixinho: - Filho isso não se diz!

Escusado será dizer que adorei a história, e certo está o seu netinho, quando diz que não se deve escrever nos braços.

Não que tenha alguma coisa contra as tatuagens, uma até se pode tornar engraçado, mas tudo o que é demais, é erro.

Beijinhos,
Ana Martins

Dulce disse...

Ana,

Que historinha mais linda, amiga...
Ah, a ingenuidade e a franqueza das crianças... rs...

Beijos

ney disse...

Ah, essas crianças... com suas inocências e indagações, às vezes fazem a gente passar por situações difíceis. Mas vale a ingenuidade, esse jeito simples e verdadeiro de ser. Bons tempos! ney/

Dulce disse...

Ney

Pois é, as crianças fazem-nos passar por algumas situações embaraçosas, que mais tarde fazem-nos rir muito, viram histórias, doces lembranças...
bjs.