floquinhos

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Uma lembrança muito doce...


Hoje o dia amanheceu ensolarado, todo azul, num friozinho leve, típico do outono. Mas é segunda-feira e, como os meus antigos costumavam dizer, segunda-feira é dia de preguiça... E nessa sensação de preguicinha gostosa que nos domina em manhãs como esta, levantar da cama foi um pouco mais difícil e fiquei eu um pouco mais entre os lençóis a divagar, a lembrar coisas e pessoas e lá se foi meu pensamento rumo ao outro hemisfério, envolver meus netos que vivem por lá.
Voltei no tempo e vi-me na noite de outra segunda-feira, em Winchester, MA, onde minha filha mora.
Lembrei-me de meu netinho caçula. Alexander nasceu no dia de meu aniversário e isso tem feito de nós duas pessoas mais ligadas. Passo longas temporadas por lá, o que me permite conviver muito com ele. Doce, carinhoso, espontâneo, temperamento latino, ao contrário do irmão mais velho, mais contido, com aparência e temperamento escandinavos, como o pai. Pois esse garotinho é responsável por um dos momentos mais doces de minha vida.
Numa noite, já estava deitada, quase dormindo, quando ouvi a porta de meu quarto se abrir e passinhos leves pelo assoalho. Senti que meu pequeno Alexander chegou junto da minha cama e sussurrou: “boa noite, vovó Dulce”. Respondi “boa noite, meu anjo, durma bem”. Percebi que se afastava, mas parou e voltou correndo e passando seus dedinhos por meus cabelos, debruçou-se e sussurrou carinhosamente ao meu ouvido “Eu te amo, vovó Dulce” e, antes que eu pudesse dizer uma palavra já corria em direção ao seu quarto de dormir, deixando esta vovó com uma enorme sensação de bem querer dentro do peito, uma imensa sensação de paz, de aconchego na alma.
Pode haver lembrança mais doce que esta? E ainda hoje, quase três anos depois, ao lembra-me daquele momento, minha alma se enche de ternura e gratidão. A ele, por fazer de mim uma vovó feliz e à vida por ter-me feito avó do meu pequeno e doce Alexander

Dulce Costa
Na manh˜de um frio outono do ano de 2009

6 comentários:

Isa disse...

Minha querida,que momento único,o
que viveu! O seu Alexander deve ser
um amor.E essa Vóvó linda e doce, que ele tem,merece tudo.
Nós Avós precisamos de tão pouco para sermos FELIZES!!!
Sabe,outro dia,perguntei ao Sebastião:"Amor,os teus colegas da
Escola,têm Avó?"
Resposta:"Ñ,Avó ñ.Têm velhinhas".
Adorei...babei...
Beijo.
isa.

Dulce disse...

Isa,

Que coisa mais linda a doçura e a franqueza de seu pequeno Sebastião... Bem dizem que avó é mãe com açucar... açucar que nossos netinhos derramam sobre nós...

Beijos

BEL disse...

Lindo, tão emocionante

Beijinhos

Bel

Dulce disse...

Bel,

Obrigada.
Beijinhos para você, também

ney disse...

Realmente um belo e inesquecível momento. As boas lembranças dos avós. ney/

Dulce disse...

Ney

Sem dúvida... Sermos avós nos garante momentos assim... Um presente raro que a passagem do tempo nos proporciona, como uma espécie de compensação por vermos nossos filhos tornarem-se adultos, independentes, por vezes até distantes... Os netos chegam e preenchem o espaço...
bjs