floquinhos

sábado, 8 de novembro de 2008

Fernando Pessoa - Fragmentos

Trago dentro de meu coração,
Como num cofre que não se pode fechar de cheio,
Todos os lugares onde estive,
Todos os portos a que cheguei,
Todas as paisagens que vi através de janelas ou vigias,
Ou de tombadilhos, sonhando,
E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero.

(Passagem das horas)


Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
A parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.
(Tabacaria)

2 comentários:

Polêmica disse...

Mesmo não podendo ser nada ou ter nada, temos que levar sempre conosco os mais sinceros e mágicos sonhos que pudermos sonhar!

Beijos!!!

Dulce Costa disse...

Polêmica,
É bem verdade. Os sonhos pavimentam de esperança os nossos caminhos.

Beijos