floquinhos

quinta-feira, 6 de maio de 2010

No cotidiano de Drummond...


Tenho em mãos um dos muitos livros de Drummond, "Boitempo", onde o autor fala sobre o tempo de sua infância, sua adolescência, emolduradas pelas tradições do tempo e do lugar onde viveu. E ao deparar-me com o poema que hoje deixo aqui, revi noites de minha infância, meu pai e um de seus hábitos, que era o de deixar um copo com água no sereno da noite, para que pela manhã ela estivesse fresca... Quantas vezes, quando menina, vi meu pai fazer isso. Era quase um ritual, para ele, tomar um copo d'água ao acordar; dizia que fazia bem à saúde, que limpava o sistema digestivo e, como não havia refrigerador nas casas pobres de então, se quisesse água fresca, o jeito era deixá-la ao sereno.
E fico aqui pensando em como a sensibilidade poética consegue manifestar-se nas coisas mais corriqueiras; o que para nós, pobres mortais, seria apenas um gesto, um hábito, para Mestre Drummond era encanto, poesia, mercê essa sensibilidade tão aguçada, que ele tão bem usou para falar-nos sobre um banho de bacia, o chupar uma laranja, licoreiras ou cestinhos de costura, doces lembranças de sua infância que estão eternizadas em seus versos... Hoje, para vocês...


Copo d'água no sereno

O copo no peitoril
convoca os eflúvios da noite.

Vem o frio nervoso
da serra.
Vêm os perfumes brandos
do mato dormindo.
Vem o gosto delicado
da brisa .

E pousam na água.

7 comentários:

Agulheta disse...

Querida Dulce. Realmente belas lembranças de outrora,que hoje em dia poucos lembram,foram tempos difíceis,mas sempre dizia que a alegria era grande.Poema pequeno,mas com tudo que nos habituou Drummond,que adorei ler,como o pequeno grande texto que o envolve.
Beijinho fique bem.
Lisa

Dulce disse...

Agulheta

Tempos tão diferentes, não, Lisa? Eram difíceis, sim, mas ficaram tantas saudades... E Drummond viveu-os com intensidades e ternura.
Obrigada,beijos e boa noite, para você.

Mila disse...

Olá Dulce!
Se nascemos com essa sensibilidade preciso encontrá-la, mas se podemos adquiri-la, farei um enorme esforço para tirar de coisas simples palavras profundas...
Pérolas de Drummond, obrigado por compartilhar conosco.
Bjs
Mila

FERNANDINHA & POEMAS disse...

QUERIDA DULCE, UMA MARAVILHOSA POSTAGEM... ADORO A TUA MANEIRA DE ´NOS DARES... O QUE DE MELHOR SE PASSA... ABRAÇOS DE AMIZADE,
FERNANDINHA

Dulce disse...

Mila

Imagino que cada um de nós deva ter um certo grau de sensibilidade, uns mais, outros menos, e há ainda os que, como Drummond, extrapolam...
Beijos

Dulce disse...

Fernandinha

Muito obrigada, minha gentil amiga.
Beijos e uma boa noite para você.

Pitanga Doce disse...

Já que não há mais poção, quem sabe a água resolva e acalme...

boa noite Dulce