floquinhos

quinta-feira, 27 de maio de 2010

A arte de amar, segundo Manuel Bandeira


ARTE DE AMAR

Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma.
A alma é que estraga o amor.
Só em Deus ela pode encontrar satisfação,
Não noutra alma.
Só em Deus - ou fora do mundo.

As almas são incomunicáveis.

Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.

Porque os corpos se entendem, mas as almas não.

(Manuel Bandeira)




Tão modernos estes versos de Bandeira! Como se fossem escritos hoje. Hoje, quando o amor se traduz exatamente assim, por corpos que se atraem, que se unem, que se mesclam em momentos, que se desgastam e que se separam, assim, simplesmente assim...
Aquele amor-romance, pensado eterno, sentido aconchego, corações enlaçados, mãos atadas pelos sentimentos, olhos voltados para a mesma direção, parece estar desacreditado. Ou parece existir enquanto, como diz o poeta, os corpos se entendam. Depois, a busca frenética por outro amor, e depois outro, e outro, numa infinita procura, numa insaciável ânsia de ser feliz, porque a felicidade resume-se hoje em valores materiais, na busca pelo belo, nos prazeres físicos antes dos deleites da alma.
Claro que ainda há - e sempre haverá - muito corações românticos em busca do amor perfeito, alma a alma, coração a coração, corações que sonham um viver de ternura, de encantos. Serão eles os "deslocados" da vida moderna? Confesso que não sei, sempre fui assim, alma a alma, coração a coração e, mesmo neste momento de tantas mudanças de comportamento vivo de bem com a vida e comigo mesma e não desviaria um centímetro sequer de meu longo caminhar.
Gostaria de saber o que pensam a respeito os amigos e leitores daqui do Prosa, o que acham dos versos de Bandeira...

6 comentários:

Pitanga Doce disse...

Ó minha amiga! Se ouço Elba cantar

"quem sabe o destino
ainda vai juntar
o céu e o mar
eu e você"!

Só posso achar que Bandeira estava magoado demais ao escrever este poema. O que difere dos temos de outrora é que já não se espera tanto para juntar alma e corpo. Mas os dois precisam falar a mesma lingua. Ou nem falar!

beijos em dia de céu indeciso. (só o céu)

Dulce disse...

Pitanga Doce

O destino, a vida... Quem sabe?

Mas sabemos bem que Bandeira era sim um magoado com a vida, não é?

Deixa lá a indecisão do dia, minha amiga, o importante é que o coração saiba bem o que quer, certo?

Beijos em dia frio, mas muito azul por aqui.

Isa disse...

Dulce querida,penso tantas vezes,mas tantas,na razão por que
hoje é efémero o Amor?
Ontem fui fazer madeixas pq. o MEU AMOR(6 anos,meu Sebastião) me disse: estás estão escura...ñ gosto. Sério!
E no salão onde vou há muito perguntei pelo casamento de uma noiva,já bem grandinha(42 anos)e que dissera e eu achara um mimo,que
estava apaixonadíssima.
Pois,casamento de estadão,etc e tal. Mas,2 meses e 1/2
passados,divorcio a correr...
É de outro mundo? Não,minha querida...é deste!
Sabe,querida Dulce,penso que ñ pode ser só o sexo,a química,como se diz agora(já viu que até para palavras há modas??)que é necessário. É mto importante,Santo
Deus, mas os interesses,os gostos,
o saber quebrar a rotina,tudo faz parte do Amor.
Ah,era o 2º casamento da dita senhora.
Beijo.
isa.

PS:- Dulce,já pensou as tardes que nós passaríamos a conversar?? Desculpe ocupar tanto espaço.

Em busca de mim disse...

De fato bandeira tem razão, os corpos se entendem mas as almas não...vemos muitos relacionamentos por aí que as pessoas se dão muito bem fisicamente, mas no cotidiano da vida... Aposto num relacionamento duradouro quando há muito mais que um casamento de corpo, sim um casamento de alma....

Dulce disse...

Isa, minha doce amiga

Então o pequeno Sebastião já anda opinando sobre as madeixas da avó? Que coisa mais linda, amiga.

Pois, amiga, assim andam os amores, inconstantes, inseguros, frágeis. Mudam os nomes, mudam as atitudes, muda o amor, ou a forma de encara-lo, de vive-lo, já nem sei mais. Estou lendo "Multipla Escolha", o mais recente livro de Lya Luft, onde ela aborda todas essas mudanças de comportamento, estou gostando muito, faz a gente pensar...

Ah, amiga, se não tivessemos todo esse mar a separar nossos cantos, certamente teríamos muito chá a acompanhar infindáveis horas de prosa... rs...

Beijos e boa noite.

Dulce disse...

Em busca de mim

Concordo com você, pois sei bem que sem um entrosamente de almas fica muito dificil a duração de uma união, mas parece que hoje isso quase nem é mais questionada. Um casamento para se manter exige amor, companheirismo, compreensão, respeito, cumplicidade, sinceridade, confiança e ainda mais um pouco...

Um abraço