floquinhos

sábado, 9 de janeiro de 2010

Um piano na tarde


Surdina

(Cecília Meireles)

Quem toca piano sob a chuva,
na tarde turva e despovoada?
De que antiga, límpida música
recebo a lembrança apagada?

Minha vida numa poltrona
jaz diante da janela aberta.

Vejo árvores, nuvens - é a longa
rota do tempo, descoberta.

Entre os meus olhos descansados
e os meus descansados ouvidos,
alguém colhe com dedos calmos
ramos de som, descoloridos.

A chuva interfere na música.
Tocam tão longe! O turvo dia
mistura piano, árvore, nuvens,
séculos de malancolia...

6 comentários:

Isa disse...

...e continuamos a ouvir o som do Piano...
Bom Fim de Semana.
Beijo.
isa.

Dulce disse...

Isa

Obrigada e um bom final de semana para você também.
Beijos

Pitanga Doce disse...

"Quem toca piano sob a chuva,
na tarde turva e despovoada"?


Agora ninguém, querida Dulce.

Dulce disse...

Pitanga

Fez-se noite, o piano calou-se, a chuva parou de cair...
Beijos e uma boa noite, Mila.

Ana Martins disse...

Belíssimo poema Dulce, são sempre deliciosos os momentos de leitura aqui no seu cantinho.

Beijinhos,
Ana Martins

Dulce disse...

Ana

Obrigada, minha amiga. Você é sempre muito gentil.
Beijos