floquinhos

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Meus Poetas do Coração - Flobela Espanca


Poetas

Ai, as almas dos poetas
Não as entende ninguém;
São almas de violetas
Que são poetas também.

Andam perdidas na vida,
Como as estrelas no ar;
Sentem o vento gemer
Ouvem as rosas chorar!

Só quem embala no peito
Dores amargas e secretas
É que em noites de luar
Pode entender os poetas.

E eu que arrasto amarguras
Que nunca arrastou ninguém
Tenho alma pra sentir
A dos poetas também!

25 comentários:

Patti disse...

Estive nestas férias na belíssima terra alentejana na onde ela nasceu: Vila Viçosa.

Poetisa, é a primeira.

Dulce disse...

Patti

Concordo com você. Ela é incomparável.

Isa disse...

Boa Tarde,querida Amiga.
Já somos 2 a ler,postar e gostar da Poetisa da nossa língua.
Mulher sofrida,nascida fora do seu tempo,pois estava muito mais à frente.
Beijo.
isa.

Dulce disse...

Isa
E continua porta-voz dos sentimentos femininos, das mágoas, dos pesares, dos amores incompreendidos, das saudades, enfim, dos corações amantes. Porque é poeta, porque os poetas são eternos e porque os poetas falam por nós...

Sonhadora disse...

Minha querida Dulce

Florbela...a maior de todas, adoro a poesia sofrida dela.

Beijinhos com carinho

Sonhadora

Dulce disse...

Sonhadora

Também, eu!... É a alma feminina posta em palavras.
beijos

Isa disse...

Dulce,venho pedir desculpas!!
Sério!
O post de hoje,sobre a "estória" passada em S.Carlos,tinha um erro.
Ñ sabia corrigir e tirei-a e voltei a postar.
Perdeu-se um comentário seu, minha querida.
Desculpa?
Beijo.
isa.

Graça disse...

Acho que não há quem não ame as poesias da 'Flor-bela' como costumamos dizer em nossas aulas...

E vamos mais longe...'EspERanca'...

e assim homenageamos essa linda poeta com o romântismo à flor da pele.

Dulce,
nesse seu post anterior (lindo!) sobre os dois livros, você citou um, com coisas de Minas... Será que poderia me enviar o nome e autor (a)?

Fiquei realmente intrigada, pois tudo que se faz por aqui, é justamente com calor e com o amor dessas terras mineiras...

Vou apoiá-la nessa, após conhecer a dita obra; amei sua posição diante dessa leitura.

Explico:
Meus botões possuem uma seção chamada HOMENAGEM A MINAS GERAIS e já está quase pronto o terceiro capítulo. Sei que lembra, adoro contar os fatos em capítulos...

Por favor, envie-me o nome e autor, sim? Evidentemente, vou colocar aqui o meu ponto de vista, fique tranquila.
E fico aguardando, amiga. Meu e-mail está no perfil, e desde já agradeço.

Um grande abraço!
Ah, e grata por gostar do meu post...

Dulce disse...

Isa
Mas claro que sim, minha amiga. Está tudo certo, não se preocupe.
Beijinhos

Dulce disse...

Graça
Claro que sim, vou enviar para você.
Sou muito ligada a Minas, por um casamento com um mineiro, por ter um filho nascido em Minas, pelos amigos queridos que lá estão, e pela própria terra mineira, cheia de história, de tradições, que acabei adotando como minha. Assim, tudo o que se refere a Minas desperta minha atenção.
E como não gostar do seu post, do seu espaço?
Beijos e obrigada.

Vitor Chuva disse...

Olá Dulce!

De novo um lindo, sentido e sofrido poema de Florbela, vindo lá bem do fundo da alma, como era seu apanágio.
Será que para ser-se - bom - poeta é condição indispensável que antes se tenha sofrido?

Beijinhos.
Vitor

Carlos Albuquerque disse...

Sobre Florbela Espanca deixo o que já escrevi noutros blogs, que dela falaram
--
A poesia de Florbela Espanca sempre me provoca os sentidos.
Encontro nela um canto florido, é verdade, mas, sobretudo, melancolia, dor, angústia, languidez e muita, muita solidão!
A sua poesia encanta e perturba. Lê-la é encontrar portas escancaradas e janelas abertas.
Muito li sobre a sua vida. Fiquei por saber se ela algum dia se meteu por aquelas portas e janelas em busca do que procurava, ou, sei lá, talvez nada buscasse!
Penso que não precisou de a encontrar. A Imortalidade veio ter com ela.
--
Beijos

Dulce disse...

Vitor

Imagino que sim, pelo menos é voz corrente... E é inegável que os mais lindos poemas são os que falam de dor, de sofrer, de saudade.
Há uma canção muito linda de Tom e Vinícius que diz, num determinado momento:
"... Assim como uma nuvem só acontece se chover / Assim como o poeta só é grande se sofrer / Assim como viver sem ter amor não é viver / Não há você sem mim e eu não existo sem você..."
Imagino que a conheça. É "Eu não existo sem você" - lindíssima, e é inegável que Vinícius sabia muito bem o que dizia.

beijos

Graça Pereira disse...

Florbela, será sempre a mais bela flor da nossa poesia feminina... de uma mulher que, na vida, apenas quis amar..."amar perdidamente"!!
Um beijo
Graça

Dulce disse...

Carlos

Maravilhoso, meu amigo!... A forma como você escreve é fascinante!...
"A imortalidade veio ter com ela"... Verdade! Mas a que preço?
Beijos e obrigada por este comentário tão lindo!

Dulce disse...

Graça Pereira
Quis amar e amou, perdidamente e hoje transfere para nossas almas sentimentos e emoções que nos tocam, inspiram, encantam...
beijos

Osvaldo disse...

Dulce;

A Florbela, sempre bela nas suas poesia de sonho. Obrigado por promoveres sempre que podes os grandes poetas da nossa literatura tão rica em autores.

Uma curiosidade. Os aviões da TAP têm todos um nome de uma personagem ligada à lusofonia e em Dezembro, quando voltei de Portugal o avião tinha por nome "Florbela Espanca" o que me fez pensar em ti.

bjs, Dulce,
Osvaldo

Dulce disse...

Osvaldo

Meu sempre gentil amigo...
Que bonito os aviões ostentarem nomes de personagens ligados a lusofonia! E viajar sob o nome da Florbela deve ter tornado a viagem mais bonita...
Beijos

Pitanga Doce disse...

Já pensaste o mundo envolto em poesia de Florbela? Aí é que ganhávamos asas, Dulce!

Dulce disse...

Pitanga

Ah, seria maravilhoso voar num mundo assim... Eu adoraria...
beijos

M. Lourdes disse...

Dulce
Hoje cheguei aqui bastante tarde e ao ler os comentários, cheguei à conclusão que está tudo dito. Parece que, no que se refere à Florbela, estamos todos de acordo.
Uma grande poetisa.
Beijinhos

Dulce disse...

Lourdes

Sempre é hora para sua presença aqui, minha amiga. Sobre Florbela, sem duvida, uma grande poetisa.
Beijos e boa noite.

Maria Valadas disse...

Olá querida Dulce,

Que melhor poetisa podias escolher para este momento de alheamento!

Comecei a gostar de poesia e a ler Florbela Espanca... porque ela " falou" com alma!

PS:
Peço desculpa ( mais uma vez) por não vir aqui todos os dias comentar.
Somente comento um dia por semana... espero que me compreendas!
Oxalá tivesse saúde para o fazer!

Beijinhos.

Maria

Dulce disse...

Maria

Que isso não seja motivo de preocupação, amiga. Este cantinho fica muito feliz com sua presença, sempre que puder vir, mas entendo perfeitamente que nem sempre se possa estar passando por todos os espaços amigos. Não se preocupe. Venha quando puder, quando quiser, será sempre muito bem vinda.
Obrigada por sua presença e por sua amizade.
Beijos

Ana Martins disse...

Adorei Dulce e não conhecia este poema.

Beijinhos,
Ana Martins