floquinhos

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

E nesta Quarta-Feira de Cinzas, ainda Vinicius


Soneto da Quarta-Feira de Cinzas

Por seres quem me foste, grave e pura
Em tão doce surpresa conquistada
Por seres uma branca criatura
De uma brancura de manhã raiada

Por seres de uma rara formosura
Malgrado a vida dura e atormentada
Por seres mais que a simples aventura
E menos que a constante namorada

Porque te vi nascer de mim sozinha
Como a noturna flor desabrochada
A uma fala de amor, talvez perjura

Por não te possuir, tendo-te minha
Por só quereres tudo, e eu dar-te nada
Hei de lembrar-te sempre com ternura.

(Vinicius de Moraes)

2 comentários:

Osvaldo disse...

Dulce;
Vinicius será sempre poeta de todas as quarta-feira do ano.
Os poemas que viram canção têm a vantagem de se lerem e ouvirem com melado musical e nisto, Vinicius de Moraes sempre foi imbativel.

bjs, Dulce.
Osvaldo

Dulce disse...

Osvaldo
E não só das quartas feiras, não é mesmo? E através dos poemas musicados ele chegou a muito mais gente, teve uma divulgação de seus trabalhos muito maior.
Beijos e linda tarde para você.