floquinhos

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Ao compasso da música... lembranças.


O sol ia-se derramando em ouro por sobre a cidade na quente manhã de verão... O céu de um azul muito doce punha ternura em sua alma. A música envolvia o ambiente, acarinhava o coração, trazia saudade, uma saudade infinita daqules olhos, daquele sorriso, daquelas mãos... Haviam dançado essa mesma música numa longínqua noite, sob um doce luar que inundava o pequeno quintal da casa em que moravam...
Lembrava-se tão bem... Festejavam com um jantar o primeiro aniversário de casamento. A música que enchia o ar era a mesma que tocava quando se viram pela primeira vez. Aos acordes da música, interromperam o jantar, olharam-se docemente, suas mãos se tocaram e, sem dizer palavra, ele a foi conduzindo pela porta a fora. Quando ele a tomou em seus braços, deixando-se levar ao compasso da música, Clara sentiu o mundo transformado em um chão de estrelas por onde seus pés deslizavam enquanto aqueles dois corações viviam a beleza e o enlevo daquele momento. Doces momentos, tantas saudades...
Mas eram doces saudades que vinham como companheiras, que lhe devolviam uma presença, um carinho... Carinho que permaneceria ainda em sua alma e que ela iria redescobrindo em cada esquina do tempo.

4 comentários:

Julio Cesar disse...

ah...Renoir...um dos meus prediletos da pintura. Impressionista como Van Gogh, dividi com esse e Lautrec a prateleira de minha estante. A quem quiser esperimentar, de posse de uma imagem impressionista (de Renoir) faça um tubo ou cone, pode-se usar uma revista mas de preferencia algo escuro. focalize a pintura atraves do tubo. congele-se...não tenha pressa...e não foque as pinceladas especificamentes, ao contrário...foque no infinito e deixe que o cerebro 'preencha' (sim, o cerebro faz isso, completa as imagens, e isso é científico) as lacunas. Se de fato deixar-se levar pela pintura...mergulhará nela quando menos perceber...e poderá sentir a temperatura do que ves. Imagens que contrastam luz e sombras ou ensolarados tem-se o melhor efeito, ainda que nos sombrios (pinturas impressionistas são sempre vividas nas cores em sua maioria)também se perceba.

O texto...hum..o texto é lindo, de uma poesia que me fascina e que vivo. Principalmente agora. Sou um das muitas "Claras" que incognitos vivem por aí.

Parabens Dulce e obrigado por esse pedaço de ternura em imagem e palavras.
Julio Cesar

Dulce disse...

JCesar

Também tenho os impressionistas entre meus prediletos e vou seguir sua sugestão, sim. Obrigada

Sou eu quem agradece sua presença e suas palavras.
Beijos

Si disse...

O traço de Renoir é inconfundível, e o texto completa na perfeição o aroma romântico da cena.
Lembranças saudosas que devolvem carinho, são imprescindíveis na nossa vida, Dulce.

Dulce disse...

Si

Sobre Renoir, de pleno e total acordo. É de deixar que os olhos se percam na cena. Sobre as saudades e as lembranças... também penso assim.
beijos