floquinhos

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Gastei uma hora pensando...


Poesia
(Carlos Drummond de Andrade)

Gastei uma hora pensando em um verso
que a pena não quer escrever.
No entanto ele está cá dentro
inquieto, vivo.
Ele está cá dentro
e não quer sair.
Mas a poesia deste momento
inunda minha vida inteira.


Pois é!... É assim que estou hoje... Tenho um mundo de lembranças, de fatos, de visóes dentro de mim, mas não consigo juntar as palavras para transporta-los para ca. Poderia falar de sonhos desconexos, posto que os tenho, ou falar de esperanças perdidas, posto que as tive também. Ou quem sabe de pequenos momentos que se fizerem perenes em minha alma? Talvez até de acontecimentos banais que, com um pouco de sensibilidade virariam uma história interessante, já que vividos por quase todo mundo... Poderia falar sobre qualquer coisa, afinal fala–se sobre tudo e sobre todos. Poderia, claro... Mas... cadê a palavra certa para começar a primeira frase que se seguiria a tantas outras para compor um texto? Cadê?... Foge-me deslavadamente, já faz uns dias.
Começo a perguntar a minha pobre alma o que foi feito de tanto sentimento que sempre a envolveu? Guardou-o no velho baú das perdas e danos que a vida lhe ofertou, ou apenas deixou-os dormindo por uns tempo, ainda com possibilidades de um sereno despertar? Não consigo atinar com a resposta. Não por enquanto. Então, até que a tal resposta chegue libertando a palavra, fico como nos versos de Drummond, com a poesia de uma boa prosa inundando minh'alma...

2 comentários:

Isa disse...

Querida,quantas vezes isso se passa
comigo!
Sabe,a força,a intensidade dos sentimentos,é tanta que nos fogem as palavras.
Beijoo.
isa.

Dulce disse...

Isa

Deve ser isso mesmo, minha amiga...
Nem sempre conseguimos expressar o que nos vai na alma.
Beijos