floquinhos

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Um coração de madeira...


O animal da floresta

De madeira lilás (ninguém me crê)
se fez meu coração. Espécie escassa
de cedro, pela cor e porque abriga
em seu âmago a morte que o ameaça.
Madeira dói?, pergunta quem me vê
os braços verdes, os olhos cheios de asas.
Por mim responde a luz do amanhecer
que recobre de escamas esmaltadas
as águas densas que me deram raça
e cantam nas raízes do meu ser.
No crepúsculo estou da ribanceira
entre as estrelas e o chão que me abençoa
as nervuras.
Já não faz mal que doa
meu bravo coração de água e madeira.

(Thiago de Mello)

8 comentários:

Lu Cavichioli disse...

Dulce, este poema é um dos mais belos e verdadeiros que já li na net. Você foi muito feliz na postagem.

Tocante!
É veramente a voz de todas as árvores.

Parabéns e aplausos a Thiago de Mello.

abraço aos dois

Lu C.

elvira carvalho disse...

Feliz Ano Novo amiga. Muita paz, muita luz, muita saúde, e tudo o que mais desejar.
Mais um belissimo poema. Gostei.
E o Blogue está muito bonito. Parabéns.
Um abraço e obrigada pelas visitas.

Dulce disse...

Lu Cavichioli

Obrigada, Lu. Thiago de Mello tem um jeito todo seu de poetar, por isso me encanta.
Beijos e uma boa noite para você

Dulce disse...

Elvira Carvalho

Um Feliz Ano Novo para você também.
Obrigada, e saiba que visitar seu cantinho é sempre um prazer.
Beijos e uma boa noite para você

Ana Martins disse...

Que lindo Dulce, muito bom mesmo!

Beijinho,
Ana Martins

ValCruz disse...

Linda em todos os sentidos, vc e a poesia que postas-tes!!!


Beijos doces, Dulce querida!

Dulce disse...

Ana Martins

Obrigada, Ana.
Beeijos e um bom dia

Dulce disse...

Val Cruz

Obrigada, Val.
Beijos procê também...