floquinhos

sábado, 5 de dezembro de 2009

Meus Poetas do Coração - Fernando Pessoa


Reticências

Arrumar a vida, pôr prateleiras na vontade e na ação.
Quero fazer isto agora, como sempre quis, com o mesmo resultado;
Mas que bom ter o propósito claro, firme só na clareza, de fazer qualquer coisa!

Vou fazer as malas para o Definitivo,
Organizar Álvaro de Campos,
E amanhã ficar na mesma coisa que antes de ontem — um antes de ontem que é sempre...
Sorrio do conhecimento antecipado da coisa-nenhuma que serei.
Sorrio ao menos; sempre é alguma coisa o sorrir...
Produtos românticos, nós todos...
E se não fôssemos produtos românticos, se calhar não seríamos nada.
Assim se faz a literatura...
Santos Deuses, assim até se faz a vida!

Os outros também são românticos,
Os outros também não realizam nada, e são ricos e pobres,
Os outros também levam a vida a olhar para as malas a arrumar,
Os outros também dormem ao lado dos papéis meio compostos,
Os outros também são eu.
Vendedeira da rua cantando o teu pregão como um hino inconsciente,
Rodinha dentada na relojoaria da economia política,
Mãe, presente ou futura, de mortos no descascar dos Impérios,
A tua voz chega-me como uma chamada a parte nenhuma, como o silêncio da vida...
Olho dos papéis que estou pensando em arrumar para a janela,
Por onde não vi a vendedeira que ouvi por ela,
E o meu sorriso, que ainda não acabara, inclui uma crítica metafisica.
Descri de todos os deuses diante de uma secretária por arrumar,
Fitei de frente todos os destinos pela distração de ouvir apregoando,
E o meu cansaço é um barco velho que apodrece na praia deserta,
E com esta imagem de qualquer outro poeta fecho a secretária e o poema...
Como um deus, não arrumei nem uma coisa nem outra...

(Álvaro de Campos)


12 comentários:

Fernanda disse...

Amiga Dulce,

Acontece um pouco com todos, não é?
Há dias em que qualquer coisa nos deixa suspensa no ar e fica por fazer o que era (talvez) prioritário, acabando por não fazermos nada.

Beijinhos doces para a minha doce amiga.

Dulce disse...



Assim é a vida, minha amiga... Todos temos fases, fazer o que? É preciso aprender a entende-las e a vivê-las.
beijos

Dora Regina disse...

As vezes me sinto assim...
Um grande abraço!
Bom fim de semana.

Dulce disse...

Dora

Muito obrigada, boa noite e bom final de semana para você também.
beijos

António Gallobar disse...

Um belo texto e um belissimo blog muitos parabens adorei visitar

Dulce disse...

Antonio Gallobar

Obrigada pela sua presença e volte sempre pois é muito bem vindo.
Um abraço

Graça disse...

Dulce,

grata pelas doces visitas aos meus 'botões' e ao Anjo...

Você é eternamente bem-vinda!

E grata tb por aderir à campanha do Natal dos Correios, da qual já faço parte há um bom tempo.

Fernando Pessoa e seus 'heterônimos'... vc já sabe, sou apaixonada. Sabe, na faculdade eu dizia para minha profa. de literatura que teria me casado com ele, e hoje, quase trinta anos depois, lecionando essa disciplina, minha nossa, vejo que nada mudou!!!rsrs
Um beijo, linda.
(Veja no Empório o final do Conto Interativo, ficou lindo..
A gente se vê ainda muitas vezes antes da 'Noite Feliz'...)

Marcia disse...

Dulce querida,
Em meu blog tem um selinho para ti!
Beijos com carinho,
Márcia

Dulce disse...

Graça

Pois minha amiga, não sei se um Fernando Pessoa seria um marido recomendável... rs..Certamente um amigo, um confidente, um companheiro... Já marido... Não sei. Talvez logo deixasse de ser seu ídolo. rs...
Vou ver o final do conto, sim. Foi maravilhoso poder ter participado dele, uma experiência única.
Beijos

Dulce disse...

Marcia,

Muito obrigada, vou lá buscá-lo e com muito carinho guardo-o no Livro dos Meus Selos.
Beijos e obrigada.

Vitor Chuva disse...

Olá Dulce!

De tudo o que na vida há para arrumar, o mais difícil será certamente a própria vida: Acaba por não ser só a nossa, mas também a de outros, e a tarefa complica-se. Também o autor parece não ter sido lá muito bem sucedido neste capítulo, já que em vez de uma escolheu "viver" várias - talvez porque não coubesse só numa ...?

Beijinhos. Bom domingo
Vitor Chuva

Dulce disse...

Vitor

Meu amigo tem razão, arrumar a vida é realmente tarefa bem difícil e há quem não o consiga nunca. Imagine Pessoa que tinha várias e todas parecendo precisar de um toquezinho... rs... Agora, cá para nós, não seria isso, essa "desarrumação" que gerava o encanto em cada uma delas?...
São cheias de mistério e magia as almas dos poetas.
Beijos e bom final de domingo.