floquinhos

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

UMA NOITE EMBALADA PARA PRESENTE...


A noite está agradabilíssima, morna, calma... não sei se o céu está estrelado, não saí para olhar, confesso que bateu uma preguicinha, uma vontade de ficar no meu canto, terminar o livro que estava lendo e a esta hora a casa já em silêncio, todos já se recolheram, então não posso ficar vagando, abrindo portas ou janelas, pois não quero acordar ninguém. Posso, sim, imaginar uma noite lá fora, uma noite só para mim, para meus devaneios, para envolver meus sonhos...
E se for seguir os anseios de minha alma, esta noite inventada vai ter céu completamente estrelado e há de estar iluminada por um luar de blue moon. E vai haver vaga-lumes entre os arbustos do jardim! Vaga-lumes!!! Há quanto tempo não vejo um deles? E porque fui me lembrar deles agora? Ah, esta minha mente sonhadora!... Mas já que chegaram, eles ficam, acendendo e apagando, acendendo e apagando... Enfeitando a noite, como se fossem estrelas que se tivessem perdido, ou despencado lá do alto apenas para beijarem as rosas do jardim, para sentirem o perfume das damas-da-noite que espalhando-se pelo ar entra pela janela entreaberta, cujas finas cortinas ondulam ao sabor do vento suave que invade o quarto.
E a musica viria de uma casa vizinha... O som acariciante de um violino... Há aqui no condomínio uma ou duas casas de ciganos, e numa delas eu imagino um Wladimir, saído das historias da biblioteca cor-de-rosa dos meus tempos de adolescente, homem de pele trigueira, penetrante olhos negros, cabelos encaracolados caídos sobre a testa, porte esbelto, vestindo linda camisa de seda, que postando-se sob uma árvore, tirasse sons divinos das cordas de seu violino...
Então eu tenho noite estrelada, luar infinito, flores espargindo perfume pelo ar, brisa amena esvoaçando as cortinas da janela e um cigano ao violino para derreter corações... Eu tenho uma noite perfeita para... para que mesmo? Para mim? Ah, sim, claro, eu a criei para mim, mas... Para que?... Para mergulhar nela um coração cheio de saudades, uma alma que anda inquieta? Ah, uma noite assim é um perigo!...
Melhor empacota-la como se fora valioso presente e guarda-la no bauzinho de minhas memórias e esperanças. Um dia, quem sabe, pode passar pelo mundo dos meus sonhos uma alma a procura de uma noite perfeita para viver seus sonhos, uma alma que saberá viver essa noite com a ternura com que ela merece ser vivida... Então vou saber que ela não foi criada em vão...

Dulce Costa
Campinas, na madrugada do dia 27 de fevereiro do ano de 2009

2 comentários:

Lourdes disse...

É lindo o cenário que criou.
Pena que é só imaginação...

Dulce disse...

Pena mesmo, Lourdes...
Mas minhas madrugadas tem sido tão cheias de imaginação... rs...
bjs