floquinhos

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

MEUS POETAS DO CORAÇAO - Fernando Pessoa

Nesta madrugada insone, busco companhia entre meus poetas do coração e eis que Fernando Pessoa aceita meu convite e vem sentar-se na poltrona a um canto do quarto, a falar-me da vida e da intensidade de seus sentimentos... Ele fala através de seus versos e eu, embevecida, escuto, aprendo, absorvo, sonho...

Não sei quantas almas tenho


Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,

Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: "Fui eu?"
Deus sabe, porque o escreveu.

(Fernando Pessoa)

6 comentários:

Adolfo Payés disse...

Un poema muy bello acaricia la mañana por tu espacio, que gusto pasar y robarme de tu blog. el suspiro necesario por vivir..

Un abrazo
Saludos fraternos...

Que tengas un buen fin de semana..

Graça Pereira disse...

Minha Querida
Uma paisagem bucólica de um quase principio de Outono...condiz bem com este poema de Fernando Pessoa...ele que procurou tanto ser... e o significado do seu viver...foi um homem angustiado na dimensão da sua alma...por isso, a sua poesia é de ontem e é, sobretudo, de HOJE!
Beijo amigo
Graça

Maria Teresa disse...

Pessoa ensinou-nos que cotidianamente lemos nosso ser. Texto complexo, não é?
Beijos

Dulce disse...

Adolfo Payés

Obrigada.
Fernando Pessoa sempre nos faz pensar.
Beijos e bom final de semana para você também

Dulce disse...

Graça Pereira

É verdade, minha amiga, Pessoa é, a cada tempo de nossas vidas, mais e mais atual.
Beijos, Obrigada e uma boa noite

Dulce disse...

Maria Teresa

Complexo sim, como costuma ser a maior parte da obra de Pessoa.
Beijos e uma boa noite.