floquinhos

terça-feira, 3 de maio de 2011

Sob a magia de um arco-íris...


O dia amanheceu azul, de um azul suave, outonal, como um convite a vida, ao amor, a alegria de estar presente, ainda, neste caminhar...  Azul anunciado ontem ao entardecer, pela presença de um arco-íris cortando o céu, diáfano, fugidio... Tão fugidio que durou menos do que o tempo que levei para ir ao quarto buscar minha câmera para nela tentar eternizar o momento... Mas duradouro a ponto de despertar em mim lembranças do olhar embasbacado de uma menininha que, correndo descalça pela rua, após uma chuvarada de verão, ergueu os olhos para o céu onde, naquele momento exato, surgia um arco-íris, cuja visão a fez estancar e ali ficar, parada, esquecida do resto do mundo, e de como cavalgou nas cores que a encantavam, em busca do pote de ouro dos sonhos ainda ingênuos, pueris...  E das lembranças de como ficou decepcionada, tempos mais tarde,  ao saber que o arco-íris, pura magia, nada tinha de mágico, já que não passava de pura refração da luz - porque esses cientistas tinham sempre que atrapalhar a imaginação da gente, trazendo-nos uma realidade tão sem graça? E como se não bastasse isso, ainda acabariam com seu bom amigo Papai Noel, com as fadas e os duendes, e só não tinham acabado com o Coelhinho de Páscoa também porque ele ainda não existia (pelo menos para as crianças daquele bairro pobre). Depois dessas descobertas, um arco-íris nunca mais foi igual, embora nunca tenha perdido sua magia, como a lua que, transformada em simples satélite da terra, ainda assim, continuou mágica, amiga, confidente... A alma romântica e sonhadora daquela menininha, afinal, era imutável e os sonhos continuariam vida a fora, como lastro para uma vida mais terna... 
Sim, porque a menina que ainda mora em mim, ainda sente vontade de ficar descalça após um temporal e correr pela rua pisando nas poças d'agua deixadas pela chuva, ainda sonha diante da lua escancarada nos céus em noites de verão, em madrugadas de outono, ainda percebe lágrimas nos olhos ao ver um lindo arco-íris anunciando que o sol sempre volta a brilhar... 

12 comentários:

ValCruz disse...

Ah mulher! Tu é danada né?! Como dizem lá na minha terra... risos. Que memórias e sentimentos ditos com tanta ternura. Esses momentos simples são os que nos fazem reviver, respirar profundo e sentir uma paz... E lá vem a dona saudade que nos invade.

Grande beijo menina doce Dulce!!

isa disse...

Pois é,embora sabendo a "realidade" (mal parecia,ñ é mm?),"quero"
acreditar na beleza e nos valores desses momentos únicos.
Sou mais feliz e ñ prejudico ninguém!(risos)
E como ñ acreditar que "o Sol sempre volta a brilhar" se é uma querida Amiga que o diz????
Beijo.
isa.

Dulce disse...

ValCruz

Lembranças, momentos, sentimentos, saudades, tudo em doses certas, vão temperando a vida com amor e vão tornando menos doído o passar do tempo e os estragos que ele causa, vão suavizando o pisar nas pedras que ele, o tempo inclemente, vai pondo pelos nossos caminhos... Por isso é preciso cultiva-los com carinho...

Beijos, minha gentil amiga...

Dulce disse...

Isa

E sabem tão bem essas pequenas "mentiras" que nos impomos, não minha amiga? rs... Mesmo porque os valore e a beleza desses momentos são incontestáveis, não é mesmo? Pelo menos para as almas sonhadoras, como as nossas...

Beijos, querida amiga, e uma linda tarde para você.

Pitanga Doce disse...

Um arco-iris antes e uma Lua depois...é pedir demais?

Beijos Dulce. Por aqui o cinza ainda impera.

Dulce disse...

Pitanga Doce

De modo algum, minha amiga... É um pedido perfeito.
Beijos.

Beth/Lilás disse...

Querida Dulce!
Viver é isso, observar e captar pra dentro de si os momentos raros, fugidios da vida como este arco-íris.
Seu texto pode unir-se ao meu de hoje, já viu?
um beijo grande, carioca

Dulce disse...

Beth/Lilas

Fui lá ver seu texto antes de responder seu comentário. Menina, fiquei emocionada, viu? É que me trouxe lembranças de um tempo lindo de minha vida. Deixei lá na sua caixa de comentários um pedacinho da história.
Beijos e obrigada.

Lídia Borges disse...

Uma foto muito ilustrativa. Quem pode ignorar momentos assim tão intensos?
A vida tem de ser bebida até ao último pingo.

Um beijo

Paloma disse...

DULCE,eu também me emociono com todos esses espetáculos da natureza. E relembro momentos. E,sinto tanta saudade, que chega a doer.

Beijos

Dulce disse...

Lidia Borges

Até o último pingo, sorvendo cada momento, cada gota...
Beijos e obrigada

Dulce disse...

Paloma

E sabe o que eu acho maravilhoso, Paloma? é ter vivido esses momentos, te-los em mim, vivos, intensos, a me mostrar que a vida vale a pena.
Beijos e uma boa noite para você.