floquinhos

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

E é preciso uma razão?...


As sem razões do amor

Eu te amo porque te amo

Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.

Amor é dado de graça,

é semeado pelo vento, na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo bastante a mim.

Porque amor não se troca,
não se conjuga, nem se ama. Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor, por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

(Carlos Drummond de Andrade)

8 comentários:

Ana Martins disse...

Boa tarde Dulce,
que poema maravilhoso, e é verdade única, não é precisa razão alguma para se amar, por isso se diz que "o coração tem razões que a razão desconhece".

Beijinhos,
Ana Martins
Ave Sem Asas

Pitanga Doce disse...

É, Drummond: "amor foge a regulamentos". É vadio, entra e se instala sem pedir licença. Depois reluz nos olhos.

bom dia Dulce (aqui sol tímido, quase envergonhado)

Maria Teresa disse...

Poema eterno, não é, Dulce? O Amor tem aquele sentido de coisa verdadeira que nos foge, a nós, simples mortais finitos.
Bom dia pra você.
Bjos

Dulce disse...

Ana Martins

Não seria maravilhoso se pudéssemos amar apenas quem o merece ser? Mas como não é bem assim...
Beijos, boa tarde.

Dulce disse...

Pitanga Doce

Reluz nos olhos, faz sorrir por tudo e por nada, faz chorar sem motivo... ai, ai, ai...
Beijos

Dulce disse...

Maria Tereza

Muito bem definido.Foge-nos, aprisiona-nos, domina-nos...
Beijos e boa tarde.

Adolfo Payés disse...

Excelente como siempre... leerte es maravilloso..

Que tengas un feliz fin de semana..

Un abrazo
Saludos fraternos..

Dulce disse...

Adolfo Payés

Obrigada, Adolfo. Sempre gentil...
Um feliz final de semana para você também.
Beijos