floquinhos

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Em noite chuvosa...


Numa noite fria e chuvosa de outono, a cidade em silêncio como se toda ela dormisse, o coração enche-se de saudade e busca na poesia de Cecília Meireles um ponto de equilíbrio... A lenha crepitando na lareira, o chá esfriando sobre a mesa ao lado, o livro esquecido no colo, as lembranças dançando na alma...

Timidez

Basta-me um pequeno gesto,
feito de longe e de leve,
para que venhas comigo
e eu para sempre te leve...

- mas só esse eu não farei.

Uma palavra caída
das montanhas dos instantes
desmancha todos os mares
e une as terras mais distantes...

- palavra que não direi.

Para que tu me adivinhes,
entre os ventos taciturnos,
apago meus pensamentos,
ponho vestidos noturnos,

- que amargamente inventei.

E, enquanto não me descobres,
os mundos vão navegando
nos ares certos do tempo,
até não se sabe quando...

e um dia me acabarei.

(Cecília Meireles)

8 comentários:

Ana Martins disse...

Lindo momento de poesia aqui!

Beijinhos,
Ana Martins
Ave Sem Asas

Dulce disse...

Ana Martins

Obrigada, Ana.
Beijinhos e uma boa noite para você também.

Mari Amorim disse...

Dulce,
gosto muito daqui sentir seu perfume de poesia.
Boas energias,querida uma semana de luz!
Mari

Dulce disse...

Mari Amorim

Obrigada, Mari, e boa noite para você.
Beijos

Pitanga Doce disse...

Ai Dulce, faz isso não! Esse texto e Sinatra ao fundo...ai!

Dulce disse...

Pitanga Doce

É tudo de bom, né amiga?

beijos e uma boa noite procê.

orvalho do ceu disse...

Olá, querida
"Uma palavra caída...
une as terras mais distantes"...
Igual ao Amor de Crsto que nos une sempre...
Tenha paz e alegria!!!
Bjs

Dulce disse...

Orvalho do Céu

Sábias palavras...
Amém!...

Beijos e uma boa tarde para você