floquinhos

domingo, 7 de novembro de 2010

Lobato entre o bem e o mal...


Ah, ser criança "nos antigamentes"!... Correr solta pelas ruas, pular corda e amarelinha, brincar de roda e de esconde-esconde, cantar cantigas ainda mais antigas, comprar pipoca no carrinho que parava na esquina e quando o pipoqueiro acendia o fogareiro, maravilhados, iamos vendo o milho estourar através da tela que cobria a panela... Ouvir histórias de assombração no aconchego da casa, nas noites garoentas, quando não se podia sair para brincar, e, melhor do que tudo, mergulhar no mundo encantado do Monteiro Lobato. Correr com a Emilia através do Sítio do Picapau Amarelo, ir as caçadas com o Pedrinho, conversar com o Visconde de Sabugosa, visitar o Reino das Águas Claras com a Narizinho e ainda por cima saborear os quitutes deliciosos que a Tia Nastácia preparava enquanto ouvíamos as histórias da Dona Benta...
Pouco a pouco, usos e costumes mudando, tecnologia tomando conta de tudo, as crianças presas as telas da TV ou do computador, violência grassando pra todo lado, aprisionando os pequenos em casa, e, como se não bastasse, os luminares da educação, os doutores em comportamento, resolveram tirar das crianças sua mais pura alegria, a companhia dos moradores do Sítio do Picapau Amarelo, transformados, de repente, em maldosos racistas (até a Tia Nastácia, imaginem só!!!), prontos para ensinar as crianças a como ser malévolos preconceituosos, e "otras cositas mas"... Será que aqueles desenhos barulhentos e cheios de violência importados do Japão, que enchem as tardes e a cabeça dos pequenos todos os dias, as novelas cheias de sensualidade e até licenciosidade que ficam preenchendo as noites das famílias, os programas policiais que as TVs mostram, cheios de crueldades e tristezas, são menos prejudiciais que os personagens de Lobato? Gente, cresci com Lobato, foi minha primeira leitura, foi primeira leitura de meus filhos e leitura obrigatória de meus netos... E somos todos pessoas integradas socialmente, temos amigos de todas as nacionalidades e raças e os amamos e respeitamos, sempre. Nenhum de nós foi prejudicado pela leitura dos livros de Lobato. Muito pelo contrário Será que esses doutos senhores só agora tomaram consciência da existência dos personagens que encantaram tantas gerações de brasileiros? Será que nunca haviam mergulhado nas histórias do ilustre escritor de Taubaté? Só agora tiveram tempo para ler as histórias do Sítio mais encantado do Brasil?...

12 comentários:

Paloma disse...

DULCE, também estou indignada e re-
voltada com essa idiotice de verem
racismo no livro de Monteiro Loba-
to. Lembrei-me agora de uma frase
que dizia mais ou menos assim :
¨quando o homem quer ser notado,
comete uma estupidez¨.
Li Lobato e tive,felizmente, a mara
vilhosa infância que voce descreve e que as criança desconhecem.
Beijos,com carinho

Dulce disse...

Paloma

E fazem cada coisa, não?
Talvez o clamor de revolta que essa tolice anda levantando ajude-os a ponderar melhor e refletir sobre o ridiculo dessas atitudes... Quem sabe, né?
Beijos e uma boa noite para você.

Pitanga Doce disse...

Dulce, minha querida, a Educação do país está entregue a quem? Pensa bem! É uma destribuição de cargos politicos, sem fim. Mais uma vez houve erros nas provas do ENEM, como aconteceu no ano passado e talvez anulem os testes. Achas mesmo que esses "ilustres senhores" alguma vez leram Monteiro Lobato ou perderiam a chance de mostrar sua burrice literária e clamar o tão falado preconceito racial? É que isso dá capa da Veja, sabes?

Beijos Dulce e ...tem jeito, não.

Dulce disse...

Pitanga Doce

E isso tudo é tão lamentável, não, minha amiga? Com educação, com a formação moral e intelectual das crianças não se brinca, e o que esses educadores andam fazendo parece mesmo brincadeira. Se o objetivo é só sair na capa de Veja...
Beijos querida amiga e um bom dia para você.

Mimo disse...

Tens um mimo para ti no meu blog.

Beijinhos

Dulce disse...

Mimo

Muito obrigada. Fico muito honrada com sua gentileza.
Já passei lá pelo "Sentir Quem Sou" para retirar o mimo e já o levei para o Livro dos meus selos", um espaço especialmente criado para guardar os mimos e presentes que os amigos do Prosa nos oferecem.

Beijos e, mais uma vez, obrigada.

Maria Teresa disse...

Dulce:
Você tem absolutamente toda razão! Aquele sítio, o mais encantado do Brasil, é reduto dos melhores valores, os que hoje andam perdidos nos aparatos tecnológicos, que embriagam e obrigam os olhinhos infantis a ficarem grudados numa tela viciante.
Beijos

Lídia Borges disse...

Dulce, mas que bela narrativa. Senti-me transportada para outro tempo. Já era bem crescida quando deparei com o sítio do Pica Pau Amarelo. O encantamento que me proporcionou nunca esquecerei. Mais tarde quando apareceu na televisão, junto das minhas filhas, não perdi um único episódio. Ainda cantamos a música do genérico muitas vezes.

Um beijo

Isa disse...

Mas que tolice maior!Racismo? Onde?!
Ñ podia estar mais de acordo consigo,minha querida Dulce.
A saudade do Sítio do Pica Pau Amarelo!Aliás partilhada pelos meus Filhos.Eles adoravam!
Quanta violência nos desenhos animados de hoje!
Vejo-os com os meus netos e selecciono pq é demais!
Beijo.
isa.

Dulce disse...

Maria Teresa

E fico pensando cá com os meus botões em como serão as futuras gerações, em o que poderá este pais esperar de seus filhos de então, criados apenas na superficialidade, na hipocrisia, no desamor aos livros...
Beijos

Dulce disse...

Lidia Borges

Ainda me encanto com os habitantes do Sítio. É um encantamento que foi se renovando ao ler as primeiras histórias para meus filhos ainda pequenos e depois para os meus netos... Um encantamento que dura para sempre.
Beijos

Dulce disse...

Isa

Desenhos agressivos, filmes de violência, tudo isso substitui o lúdico das gerações anteriores e vai transformando as novas gerações em pessoas agressivas, impacientes... Uma lástima!
Beijos e uma boa tarde para você.