floquinhos

terça-feira, 24 de abril de 2012

Os aromas e os sabores do mundo...

(Um pedacinho do México, sem precisar atravessar fronteiras)

Viver numa cidade (muito) grande tem suas desvantagens, sim. Afinal você vive cercado de violência, sentindo grande insegurança, a vida é corrida, o trânsito caótico, as distâncias entre um ponto e outro são enormes, o que consome grande parte de seu dia se precisar vencê-las, a vida é mais cara, e uma série de outras coisas que mexem com seu bem estar, chegando mesmo a afetar seu sistema nervoso. Todo mundo sabe que viver em cidades como São Paulo e Rio não é lá muito fácil, sob esse aspecto. Mas cidades assim apresentam vantagens também, e muitas. Tantas que chega a compensar e a fazer com que as pessoas que nelas vivem não queiram deixá-las, na maioria das vezes.
Tais cidades oferecem a seus moradores, em contrapartida, o que há de melhor e mais avançado em ciência, tecnologia, cultura, lazer, com seus centros de pesquisas, centros médicos de primeira linha, as melhores escolas, desde o fundamental até ao universitário, museus, teatros, galerias de arte, cinemas, bares e restaurantes para todos os gostos e bolsos, e ao Rio acrescente-se ainda aquele cenário maravilhoso, aquelas praias de encantar o mundo. 
São Paulo tem sido conhecida como a capital mundial da gastronomia, pois você encontra nela todos os sabores do mundo, em forma de restaurantes típicos e temáticos. E um dos prazeres do paulistano, quando na cidade, é mesmo jantar em um bom restaurante, saborear uma intensa e bem dosada variedade de aromas. Se tiver curiosidade em conhecer um restaurante refinado ou uma cantina simples, é só procurar no guia gastronômico. O mesmo com bares e botecos, cada qual com seu público. 
Meu filho tem na gastronomia seu hobby, sua maneira de desanuviar os estresses de uma profissão desgastante, embora muitas vezes bem gratificante, e quando não está na cozinha aqui de casa entre panelas e "otras cositas mas", gosta de ir a restaurantes para descobrir novos sabores, ou simplesmente saborear a boa culinária, brasileira ou internacional.
Assim, no sábado fomos jantar num lindo restaurante marroquino, aqui mesmo na Vila Madalena. Desde a entrada, já nos sentimos em outro mundo, em outra cultura. Suas paredes forradas com panos coloridos, dando a ideia de uma tenda, com uma iluminação linda, multicolorida pelos lustres e arandelas de encher os olhos. A música no ar ajudava a transportar-nos para as longínquas areias do deserto,  a imaginar odaliscas ondulando sua sensualidade. Odaliscas que, a certo momento, adentram o salão para encantar os clientes com sua dança, com sua beleza. Uma viagem ao Marrocos, sem sair do bairro em que moramos...
E ontem, escolhemos um lindo restaurante mexicano. Entre uma decoração colorida e alegre, com bandeirolas, sombremos, quadros, num ambiente rústico, ao som dos sucessos que levaram o México a todos os cantos do mundo pela voz de seus cantores, no século passado, vozes que enchiam o ar daquela aconchegante sala, entre tacos e guacamoles, potes de pimentas, e a conhecida simpatia mexicana. o jantar transcorreu numa explosão de sabores fortes mas deliciosos.
Dois países diferentes, duas gastronomias diferentes, mas em ambos os restaurante, a mesma cordialidade, a mesma simpatia, a mesma explosão de aromas e sabores, a mesma sensação de prazer ao desfrutar da cultura de outros povos, sem nem mesmo precisar sair de nossa cidade...

18 comentários:

Pitanga Doce disse...

Dulce, que fim de semana mais movimentado! No post abaixo "alimento" para a alma. Neste, comidinhas para o corpo. Nunca experimentei esses "tacos" tão falados em filmes americanos. O recheio, leva o quê? É picante?

Boa semana. Aqui, nadica de frio.

Dulce disse...

Pitanga Doce

Tacos são feitos com tortilhas (uma espécie de panqueca) que você monta com chilli - feito com feijão, carne, pimenta chilli, mais guacamole - feito com abacate, tempera com as pimentinhas que o mexicano tanto gosta, completa com alface, só para dar uma idéia. A comida mexicana é forte e eles usam bastante pimenta, mas os pratos são servidos com as pimentas à parte.
O melhor, nesses restaurante típicos, é mesmo o ambiente, a música, embora eu goste da cimida.
Vale a pena experimentar, viu?

Beijos e boa semana para você também

Dulce disse...

Pitanga Doce

Ó minha amiga, onde se lê "cimida", leia-se comida... falha nossa... hehehehe

Pitanga Doce disse...

Pois olha, eu pensei que "cimida" fosse mais um prato. hehehe
Falha nada, Dulce. Eu entendo tudinho que "vosmecê" escreve, viu?

isa disse...

Mas que delícia,minha Amiga!
Diga-me: ñ é demasiado condimentada?
Beijo
isa.

Paloma disse...

DULCE, quando se fala no México penso logo na música, maravilhosa, típica do país. São músicas eternas e inesquecíveis. Daquelas, mesmo, que ficaram para sempre.
Sabe, apesar das críticas, também aprecio muito as novelas mexicanas.

Beijos

elvira carvalho disse...

Ora aí está uma excelente ideia. E decerto bem saborosa.
Um abraço

Dulce disse...

Pitanga Doce

Ainda bem, menina... rs...

beijos

Dulce disse...

Isa

A culinária marroquina, não, mas a mexicana... Eles gostam bem de uma pimentinha, mas é muito bom e os molhos mais fortes vêm separados.

Beijos

Dulce disse...

Elvira Carvalho

Muito saborosa, mesmo, Elvira.

Um abraço

ValCruz disse...

Saudades de ti. Ontem comentei sobre vc com minha mãe que estava de passagem por aqui. De como adoro, admiro toda sua sabedoria, bem viver e simpatia. "Doce Dulce"... rs.

Concordo plenamente com vc em todos os aspectos em relação as cidades grandes. Adoro ir a Sampa nos feriados... risos... quando o trânsito é mais tranquilo e se pode curti a cidade. Hoje, sou da roça Dulce. E gosto muito!

Bjão querida.


ps.: que filhote bonitão hein menina! rs rs... Também com uma mãe linda dessas... né! Fiquem com Deus!

Beth/Lilás disse...

Hummm Dulce, eu também adoro esses passeios gastronômicos! Sou daquelas que se me convidam eu arrisco e petisco.
Gosto muito da comida mexicana, apesar de não passar muito bem com temperos fortes, mas a marroquina eu amooooo.
Você tá lindona com o filhão junto.
beijos cariocas

Beth/Lilás disse...

Ahhh, sempre quando abro seu blog acabo deixando-o aberto em outra janela para ouvir a trilha sonora que colocas. Sempre nota 10.
bjs

Dulce disse...

Paloma

Na minha infância e adolescência, ouvia-se muita música mexicana (ah, os boleros de então...) e argentina ( lindos tangos). Por isso, quando a música irrompeu na sala, foi uma viagem pelo tempo.

Beijos

Dulce disse...

ValCruz

Ô coisa mais boa, menina, ouvir tudo isso... ai, ai... Obrigada! Você é sempre muito gentil.

Ora, se se pode ser da roça, com um pé na cidade, pra que melhor? E o jeito é esse mesmo, vir para Sampa aos domingos e, melhor ainda, nos feriados prolongados.

Beijos e boa noite para você

Dulce disse...

Beth/Lilás

Esses sabores diferentes são mesmo tudo de bom. E, como você, eu também arrisco e petisco... rs...

Mãe tá sempre bonita quando está ao lado de filho, né, não? Obrigada, Beth.

Que bom que você gosta da música daqui do Prosa. Ela sempre é escolhida com muito carinho.

Beijos e boa noite para você

Ana Martins disse...

Dulce, boa noite!
Um fim de semana perfeito. É tão bom poder experimentar novos sabores, conhecer culturas diferentes.
Eu gosto imenso da cozinha goesa e sei até fazer alguns pratos e doces.

Beijinho,
Ana Martins

Dulce disse...

Ana Martins

E a cozinha goesa e muito diferente da portuguesa? Tem sabores mais picantes ou fortes? Vou procurar receitas dela para ter, pelo menos, uma ideia de como seja. Imagino que muito boa.

Beijos e boa noite