floquinhos

domingo, 5 de fevereiro de 2012

E porque hoje é domingo...


Porque hoje é domingo e o dia amanheceu azul, com sol esparramando-se pela cidade, dourando telhados, cantos e jardins, a vida desperta em seu esplendor, como se não houvesse maldade nem tristeza por sobre a face da Terra... 
Porque hoje é domingo, sempre um dia de saudade, o coração fica apertadinho no peito, as memórias chegam quase que incontroláveis, trazendo gente, lugares, cores, sabores, luzes e sombras, como uma batelada de sentimentos... E a alma vai lá fazendo sua triagem, escolhendo o que quer abrigar em dia tão lindo... 
Com tanta luz, com a música de Bethânia inundando a sala, como permitir dor neste domingo? Pouco a pouco as lembranças vão se aquietando e dando lugar à serenidade do tempo bem vivido, ao doce sabor de momentos que trouxeram amor ao coração, num agradecimento a Deus e à vida por uma jornada que tem sido única...
E porque hoje é domingo, tenho-o comigo, em sua ausência, sentindo-me ternamente enlaçada por seus braços, ouvindo ainda sua voz. Sinto seu carinho, esse carinho que ficou em mim, e desvaneço-me em terna saudade...
Só porque hoje é domingo!...

4 comentários:

Paloma disse...

DULCE, o dia de domingo é diferente. Há sempre uma espécie de clima festivo, no ar. Tanto assim que, por curiosidade, enumero todas as musicas,que conheço, enaltecendo o domingo.Olha, são muitas!
Quanto as lembranças, estas nos fazem reviver momentos passados.E,as vezes, até sorrimos diante dessas lembranças.

Beijos,com carinho

Dulce disse...

Paloma

Pois é isso mesmo, minha amiga. Acho até que a vida é bem mais bonita quando cercada de lembranças, doces lembranças...

Beijos

elvira carvalho disse...

E aqui ontem o dia esteve muito feio. Sem chuva com muito frio e totalmente escuro. A condizer com a minha saudade na passagem do 1º aniversário da partida da mãe.
Um abraço

Dulce disse...

Elvira Carvalho

Meu abraço para você, minha solidariedade... Só o tempo traz o conforto e ameniza a dor da saudade, tornando-a doce, minha amiga... Só o tempo.