floquinhos

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Divagações ao entardecer...

(O vendedor de sorvetes, alegria da criançada nas tardes de verão)

O verão vai, aos poucos, despedindo-se das ruas, do bosque, das praças e jardins, desta temporada. Temporada que foi iluminada, quente, chuvosa e assustadora também, já que trouxe consigo o Irene, embora passando ao largo, mas mesmo assim causando seus estragos. E com o fim da estação acontecem as mudanças de hábitos, além de uma completa mudança na paisagem... 
As crianças voltaram as aulas, os adultos retornaram ao trabalho, pois grande parte das pessoas costuma viajar em agosto, aproveitando as férias dos filhos. As ruas começam a receber coloridas e ressequidas folhas que vão lenta e mansamente caindo das árvores e que, em breves dias, acabarão por formar um lindo tapete sobre os gramados. E as temperaturas começarão a cair, mas cair assim como se estivéssemos atravessando nosso inverno mais rigoroso, lá em Sampa. 
Entre outubro e dezembro, virou, mexeu, os termômetros marcam zero graus ao amanhecer e vai lá pelos quatro ou cinco graus ao entardecer. Hora de tirar os agasalhos das caixas e leva-los para os armários, colocando-os no lugar da roupa leve de verão que, por sua vez, será guardada e só voltará aos armários lá pelo final da próxima primavera. Mas, enquanto isso não acontece, vai-se aproveitando este restinho de calor. 
Comprovando isso,  todo final de tarde, lá vem o caminhão de sorvetes, passando lentamente pelas ruas, tocando sua musica característica, como um chamado para que as crianças corram até ele a fim de saborear um picolé ou um sorvete, com a mesma alegria que, décadas atrás meus filhos corriam para comprar sorvete num dos carrinhos da Kibon!... 
Ora!... Mas porque cargas d'água deveria eu lembrar-me agora dos meus meninos correndo atrás de um carrinho de sorvete? Ah esses rasgos de memória que dançam dentro da gente, que assim sem mais nem menos trazem de volta momentos que supúnhamos esquecidos, dando-nos a impressão de que a vida se repete quando, na verdade, ela apenas se renova...
E lá se vai o carro musical apregoando suas delícias, pondo água na boca da criançada e saudade no coração dos mais velhos, que acabam cantarolando junto...

Twingle, twingle, little star,
How I wonder what you are.
Up above the world so high,
Like a diamond in the sky.
Twingle, twingle, little star,
How I wonder what you are!...

20 comentários:

Maria disse...

Sabe tão bem divagar, deixar o nosso pensamento fluir, misturando o presente com recordações do passado. Aqui em Portugal ainda reina muito calor embora o outono esteja quase a chegar.
Beijinhos
Maria

Agulheta disse...

Amiga Dulce. Que tudo esteja bem consigo.Sem dúvida que o verão vai passando em voo lento as lembranças sempre voltam como um novo amanhecer.Por aqui ainda algum sol para aproveitar.Cheguei esta semana e vamos começar a ser mais pontual nos blogs.
Um beijinho fique bem

Paloma disse...

DULCE, lembro-me bem dos carrinhos da Kibon. E esta lembrança desencadeia outras mais. Em tão pouco tempo(ou foi muito tempo?)tudo mudou tanto que, as vezes, tenho a impressão de ter vivido em outro país, com outros costumes.Que coisa esquisita!!!

Beijos

Pitanga Doce disse...

E mesmo incrível como as estações, tanto aí como na Europa, vão se despedindo a olhos vistos. Até o cair das folhas é significativo. Não demora nada, Dulce, e já cheiro de lareira no ar. Sei como é...

Aqui ainda cinza.
Bisous.

Mensagem do dia disse...

Boa noite Dulce!! Que lindo seu Blog! Que bela música!! Parabéns... Te convido a visitar o Blog Mensagem do dia. Fique com Deus. Bete. http://betemensagemdodia.blogspot.com/

Dulce disse...

Maria

Divagações são inevitáveis em certas fases da vida... rs...
Obrigada, Maria, beijos e uma boa noite para você.

Dulce disse...

Agulheta

Imagino que tenha tido um lindo verão... Bem vinda de volta, Lisa. Vamos pois desfrutar das belezas do outono, não é?
Beijos e uma boa noite para você.

Dulce disse...

Paloma

Pois é minha amiga, parece que foi muito pouco tempo, e no entanto, olhando para trás, eu, pelo menos, vejo um longo caminhar... é que o tempo passou sem que eu tenha sentido, depressa demais...
E as mudanças aconteceram muito rapidamente, dai essa impressão que por vezes até nos incomoda.
Beijos, obrigada e uma boa noite para você.

Dulce disse...

Pitanga doce

É verdade, logo chega a hora das lareiras funcionando. Mas por esse tempo vou estar de volta ao ninho, sentindo saudades do que por aqui vai acontecendo.
Beijos e uma boa noite para você.

Dulce disse...

Mensagem do Dia

Muito obrigada, seja muito bem vinda, um imenso prazer recebe-la aqui no Prosa. E obrigada pelo convite, já aceito, para conhecer seu espaço.

Beijos e uma boa noite para você.

Lua Nova disse...

Quão doce e envolvente é tua narrativa e como é verdade isso que disse sobre os rasgos de memória, que flutuam dentro de nossa cabeça como folhas de outono ao vento. De repente, surgem as lembranças de tempos tão remotos e queridos. Mas acho isso bom, nos faz ter certeza de que vivemos intensamente.
Gosto demais de vir aqui.
Muitas beijokas e um fds feliz pra vc.

Idanhense sonhadora disse...

"Recordar é trazer ao coração tempos passados já meio adormecidos !"
E ,quando a recordação é boa ,sabe bem...
Por Portugal , o verão parece ir prolongar-se...
Beijinhos
Quina

Dulce disse...

Lua Nova

Muito obrigada! Gosto muito quando você vem, também. Um enorme prazer recebe-la, viu?
Beijos e um lindo final de semana para você também.

Dulce disse...

Idanhense Sonhadora.

Por aqui, Quina, o verão já anda num ir e vir constante. Ontem fazia um calorzinho razoável, hoje já precisamos vestir um agasalho para saírmos para nossa caminhada, e daqui para a frente, a tendência é esfriar.
Beijos e um bom fina de semana para você.

elvira carvalho disse...

Por aqui também o Verão está chegando ao fim. Nunca vi por cá esses carros de sorvete, mas quando eu era menina havia sim uns carrinhos do tipo dos carros de algodão doce. Nós morávamos num barracão junto ao rio. E havia por ali uma fileira de oliveiras debaixo das quais as pessoas abancavam de Verão. Chegavam de manhã e partiam ao por do sol. Pelas tardes chegava o homem com a sua bicicleta carrinho e o pregão
"Olhó sorvete menina Odete"
Meus pais eram muito pobres. Muitas vezes não havia dinheiro nem para o pão quanto mais para os sorvetes. Enfim recordações

Um abraço e bom fim de semana

Emoções disse...

Nem para o céu nem para o inferno... escritores, quando morrem, vão para a eternidade.

Dulce disse...

Elvira Carvalho

E imagino a tristeza de seus pais ao terem que negar sorvete as crianças. São momentos difíceis para os pais. Acompanhei a história de sua familia, o trabalho e a luta de seus pais para criar e educar os filhos, através de seu blog. Muitas vezes me emocionei, Elvira, ao ler seus relatos.
De qualquer modo, algumas doces outras tristes, ficaram lembranças e saudades, não é mesmo?

Beijos e uma boa noite para você.

Dulce disse...

Emoções

E alguns bem o merecem, pelo que deixam atrás de si quando partem.

Beth/Lilás disse...

Amiga Dulce!
Que delícia sua recordação adocicada e que o outono venha na serenidade que lhe é peculiar.
um super abraço carioca

Dulce disse...

Beth/Lilás

Obrigada, Beth, e que a primavera que por ai chega venha plena de luz, cores, alegrias...

Beijos e um bom domingo.