floquinhos

terça-feira, 14 de junho de 2011

Há quem brinque graciosamente com as palavras...

Tomei emprestado de meu filho um texto muito curioso e divertido que ele havia publicado lá no seu "Veja Bem", texto, por sua vez, recebido por ele através de um e-mail. Como veio com autoria desconhecida, assim fica... Fazer o que?  O fato é que admiro muito as pessoas que conseguem brincar com as palavras e, exatamente como meu filho, expressões idiomáticas e ditos populares sempre me encantaram. No texto, o autor brinca com as palavras que compõem expressões usadas e abusadas ao longo de gerações. Veja lá e me digam o que acharam.




Divagações de um autor sobre a arte de escrever
“Quando comecei, pensava que escrever sobre comida seria sopa no mel, mamão com açúcar. Só que depois de um certo tempo dá crepe, você percebe que comprou gato por lebre e acaba ficando com uma batata quente nas mãos. Como rapadura é doce mas não é mole, nem sempre você tem grandes sacadas e pra descascar esse abacaxi só metendo a mão na massa.
Não adianta chorar as pitangas ou, simplesmente, mandar tudo às favas. Já que é pelo estômago que se conquista o leitor, o negócio é ir comendo o mingau pelas beiradas, cozinhando em banho-maria, porque é de grão em grão que a galinha enche o papo.
É preciso tomar cuidado para não deixar o leite azedar, não passar do ponto ou encher linguiça demais. Deve-se ter consciência de que é necessário comer o pão que o diabo amassou para se poder vender o peixe. Afinal, não se faz uma boa omelete sem antes quebrar os ovos, e muito menos verão com uma andorinha apenas.
Há quem pense que escrever é como tirar doce da boca de criança e vai com muita sede ao pote. Mas, como o apressado come cru, essa gente acaba falando muita abobrinha. Revelam-se escritores de meia tigela, que trocam alhos por bugalhos e confundem Carolina de Sá Leitão com caçarolinha de assar leitão. Aqueles que são arroz de festa, embora estejam com a faca e o queijo nas mãos, perdem-se em devaneios (piram na batatinha, viajam na maionese), achando que beleza não põe mesa. Acabam pisando no tomate, enfiando o pé na jaca e, no fim, quem paga o pato é o leitor que sai com cara de quem comeu e não gostou. (Quem vê cara não vê coração!)
O importante é não cuspir no prato em que se come, pois quem lê não é tudo farinha do mesmo saco. Diversificar é a melhor receita para engrossar o caldo e oferecer um texto de se comer com os olhos, literalmente.
Mas, cuidado! Se você tiver os olhos maiores que a barriga o negócio desanda e vira um verdadeiro angu de caroço. Aí, não adianta chorar sobre o leite derramado porque ninguém vai colocar uma azeitona na sua empadinha, não. O pepino será só seu, e o máximo que você vai ganhar é uma banana. Sabe como é: pimenta nos olhos dos outros é refresco!
A carne é fraca, eu sei. Às vezes, dá vontade de largar tudo e ir plantar batatas. Mas quem não arrisca não petisca e depois, quando se junta a fome com a vontade de comer, as coisas mudam da água pro vinho. Se embananar de vez em quando é normal, o importante é não desistir mesmo quando o caldo entornar. Puxe a brasa pra sua sardinha, que no frigir dos ovos a conversa chega na cozinha e fica de se comer rezando. 
Daí, com água na boca, é só saborear, porque o que não mata engorda.”

16 comentários:

isa disse...

Mas que maravilha de texto com uma "aplicação" perfeita dos vocábulos e expressões!
Beijo.
isa.

Dulce disse...

Isa

Também achei ótimo. Tanto que o trouxe para cá...
Beijos

Calu disse...

Criatividade é empolgante!Ficou um texto simpático e engraçado. Boa escolha, Dulce.
Hoje tem selinho p/vc lá no Fractais, viu?
Bjkas,
Calu

Dulce disse...

Calu

Não é mesmo? Também achei.

Obrigada pela gentileza. Estou indo até lá para receber e agradecer.
Beijos

Beth/Lilás disse...

kk
Que legal esse texto, adorei!
Aqui em Niterói tá friozinho, imagino por aí em Sampa.
um grande abraço carioca

Dulce disse...

Beth/Lilas

Tambem gostei.... rs...
Ah, minha amiga, o frio aqui chegou com tudo... brrrrrrrr
Beijos e uma boa noite

Graça disse...

Dulce,

minha sempre amiga!
Eu não poderia ter vindo vê-la em melhor dia, em melhor postagem, e em mais "delicioso" e "saboroso" texto!!! Muito bem escrito, supercriativo...
A-do-rei!
Obrigada pela ideia de compartilhar.
Vou copiá-lo, pra ler sempre, ok?

Um grande e saudoso abraço,
Graça Lacerda

Dulce disse...

Graça

Também achei ótimo e fico feliz que tenha sido tão bem aceito. É mesmo para se guardae... rs
Beijos, obrigada e uma boa noite

Graça Pereira disse...

Brincar com as palavras desta forma...é arte e o texto, ficou surpreendente!
Beijos e uma boa semana.
Graça

Nota: Há um concurso no Zambeziana que gostaria que participasses.

Pitanga Doce disse...

Ai, a-do-rei e olha, sei tudo de "chorar as pitangas", viu? hehehe

Mas essa de confundir "Carolina de Sá Leitão com caçarolinha de assar leitão". Tá demais!

Beijos Dulce, e que frio é esse "muié"? "Foi tu que mandou"? :-)))

Dulce disse...

Graça Pereira

Obrigada, minha amiga, vou passar pelo Zambeziana para ver.
Beijos e boa semana para você também

Dulce disse...

Pitanga Doce

Sabe, né?!... hehehehe

Fui eu não amiga... Tô até fugindo dele... Proxima semana pego aviãozinho e mudo de hemisfério... Vou curtir o verão lá junto da filhota e dos kids...
Mas, como sempre, continuo por aqui.
Beijos

Pitanga Doce disse...

Ó Dulce, tu nem me digas isso que ando a precisar urgentemente desse remedinho chamado avião. hehehe

Dulce disse...

Pitanga Doce

Quando você menos esperar, lá vai estar outra vez levantando voo, Pitanguinha...

Paloma disse...

DULCE, muito bem bolado esse texto,feito com graça e inteligencia. Gostei.

Beijos

Dulce disse...

Paloma

Incrivel como algumas pessoas te criatividade, nâo. Também achei esse texto ótimo, por isso o trouxe para o Prosa.
Obrigada, Paloma, e um bom dia